Conecte-se conosco

Destaque APP

Ator Pedro Paulo Rangel morre aos 74 anos

Publicado em

em

Morreu no fim da madrugada desta quarta-feira (21) o ator Pedro Paulo Rangel. A informação foi confirmada pela família.

O artista de 74 anos estava internado no CTI da Casa de Saúde São José, na Zona Sul do Rio, para tratar uma descompensação do quadro de enfisema pulmonar, desde o dia 30 de novembro. A causa da morte ainda não foi divulgada.

Entre os trabalhos mais marcantes de Pedro Paulo estão as novelas “Gabriela” (1975), “Saramandaia” (1976), “Vale Tudo” (1988), e o humorístico “TV Pirata” (1988).

Carreira

Nascido no Rio de Janeiro em 29 de junho de 1948, Pedro Paulo Marques Rangel era morador do Rio Cumprido, na Zona Norte da cidade, quando teve o primeiro contato com o teatro, aos 11 anos. Fascinado com a descoberta, decidiu ser ator. Foi nessa época que escreveu uma peça para que pudesse atuar: “Quando os Pais Entram de Férias”.

Mais tarde, no grupo de teatro da Igreja de Santa Terezinha, conheceu o ator Marco Nanini, com quem estudaria no Conservatório Nacional de Teatro, atual Escola de Teatro da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio).

O primeiro contato de Pedro Paulo com o teatro profissional foi em 1968, na peça “Roda Viva”, de Chico Buarque, sob a direção de José Celso Martinez Corrêa.

Depois de passar pela TV Tupi de São Paulo, o ator estreou na TV Globo em 1972, na novela “Bicho do Mato”. Seu primeiro personagem de sucesso foi Juca Viana, em “Gabriela”. Na novela, Pedro Paulo protagonizou o primeiro nu masculino da televisão, numa cena que mostrava o casal Juca e Chiquinha (Cidinha Millan) sendo atirado na rua, depois de ser flagrado na cama.

Após várias peças de teatro e alguns filmes durante a década de 70 e o início dos anos 80, como “Menino do Rio” (1982), Pedro Paulo voltou a trabalhar na TV Globo.

Convidado por Jô Soares, o ator participou de esquetes no programa humorístico “Viva o Gordo” (1982). O resultado agradou e ele foi convidado para integrar o elenco da segunda temporada de “TV Pirata” (1988).

Em 1992, um novo papel marcou a carreira de Pedro Paulo Rangel, o homossexual Adamastor, de “Pedra sobre Pedra”. Em seguida, ele fez as novelas “O Mapa da Mina” (1993) e “A Indomada” (1997), além da minissérie “Engraçadinha”.

Entre outras obras do ator estão as novelas “Pedra Sobre Pedra”, “Vale Tudo”, “A Indomada”, “Saramandaia”, “O Cravo e a Rosa” e “Belíssima”, além de seriados e minisséries, como “A Muralha”, “Você Decide”, “A Diarista”, “Os Aspones” e “Sob Nova Direção”.

Com informações – G1

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque APP

Até 15 de março, governo do Estado vai liberar recursos para o combate à dengue nos municípios

Publicado em

em

Imagem: Reprodução

O governo do Estado, através da Secretaria da Saúde (SES), pagará até 15 de março os recursos do repasse extraordinário de R$ 13,8 milhões que será destinado a todos os municípios gaúchos para implementarem e reforçarem as ações de vigilância e assistência no combate à dengue e a outras arboviroses (chikungunya e zika).

Anunciados na semana passada pelo governador Eduardo Leite e pela titular da SES, Arita Bergmann, os recursos vão permitir aos municípios reforçarem o atendimento aos pacientes com sintomas de arboviroses com a aquisição de sais de reidratação oral, realização de coletas de hemograma nas unidade básicas de saúde, atendimento em horários estendidos ou alternativos e pagamento a profissionais, entre outras medidas. As prefeituras terão 180 dias para realizar as despesas.

Cada município foi classificado de acordo com suas população. Serão destinados R$ 75 mil para cidades com mais de 200 mil habitantes (12 municípios), R$ 50 mil para cidades que têm entre 50 e 200 mil habitantes (32 municípios) e R$ 25 mil para as aquelas com menos de 50 mil habitantes (453 municípios).

O repasse reforça as ações de combate ao vetor da dengue neste momento em que o Estado registra um agravamento da epidemia. De acordo com o Painel da Dengue RS, nesta segunda-feira (4/3), há 11.267 casos confirmados no Rio Grande do Sul, com 11 óbitos. Outros 7.993 casos estão sendo investigados. Dos 497 municípios, 466 registram a presença da doença.

“Neste momento, é importantíssimo que os municípios coloquem em ação os planos de contingência e organizem suas redes de atenção em saúde, bem como potencializem as ações de combate ao vetor da doença”, explicou a diretora adjunta do Departamento de Atenção Primária e Políticas de Saúde, Marilise de Souza. “A dengue preocupa e precisamos reforçar o foco no atendimento”, reforçou.

Fonte: Governo do Estado

Continue lendo

Agricultura

Homem é preso em flagrante por abigeato em São Pedro do Sul

Publicado em

em

No inicio da madrugada desta terça-feira (5) policiais da Brigada Militar de São Pedro do Sul prenderam um homem em flagrante por crime de abigeato. De acordo com informações obtidas pela reportagem, a BM foi acionada via fone 190 de que havia movimentação suspeita em uma propriedade rural na localidade de Inhamandá, interior do município.

Ao fazer as buscas no campo, a guarnição visualizou entre quatro ou cinco pessoas carregando volumes nas costas. Ao fazer a abordagem, os suspeitos abandonaram os sacos que carregavam e fugiram em direção a cidade. Foi pedido apoio a outra viatura e um dos suspeitos foi preso. Ele foi levado a Delegacia de Polícia, onde foi ouvido e após conduzido ao presídio. Informações detalhadas sobre a ocorrência estaremos divulgando nas próximas horas.

Fonte: Gazeta Hoje

Por : Olho vivo Sta Maria

Continue lendo

Destaque APP

JUSTIÇA GAÚCHA DETERMINA QUE O GOVERNO FEDERAL PAGUE R$ 100 MIL À FAMÍLIA DE UM SOCORRISTA DO SAMU QUE MORREU DE COVID-19

Publicado em

em

O homem trabalhava na região de Palmeira das Missões, no Norte do Estado

A 1ª Vara Federal de Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre, condenou o governo federal ao pagamento de R$ 100 mil à família de um socorrista do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) que morreu em decorrência da Covid-19.

Segundo informações divulgadas na noite de sexta-feira (1º) pela Justiça Federal, a mulher e o filho do homem entraram com uma ação contra a União alegando que o socorrista faleceu aos 45 anos em decorrência da doença. Afirmaram que ele trabalhou como condutor socorrista do Samu na região de Palmeira das Missões, no Norte do Estado, por mais de cinco anos, iniciando em junho de 2014 e mantendo-se na ativa até ser infectado pelo coronavírus, justamente por atuar na linha de frente no combate à doença.

Ao analisar as provas anexadas aos autos, o juiz Bruno Polgati Diehl pontuou que elas atestaram o trabalho realizado pelo homem e as causas da sua morte. Ele observou que a Lei 14.128/2021 definiu que as famílias de profissionais de saúde, falecidos em decorrência da Covid-19, que tenham trabalhado no atendimento direto aos pacientes acometidos por essa doença, têm direito a uma compensação financeira.

O magistrado afirmou que a lei prevê que as famílias dos trabalhadores falecidos possuem o direito de receber R$ 50 mil como compensação, que devem ser divididos igualmente entre cônjuges e dependentes. Em relação ao filho, de acordo com a norma, é devida ainda parcela calculada mediante a multiplicação de R$ 10 mil pelo número de anos inteiros e incompletos que faltavam, na data de óbito do pai, para que ele completasse 21 anos. Diehl concluiu que o rapaz teria direito a R$ 50 mil, tendo em vista que possuía 16 anos na época do óbito.

Em sua defesa, a União sustentou a existência de limites orçamentários, a ausência de desídia de sua parte e o não preenchimento dos pressupostos para a sua responsabilização. Cabe recurso da decisão ao TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

Fonte: Olho Vivo Sta Maria RS

Continue lendo