Bolsonaro define como “inadmissível” aborto de menina vítima de estupro

0
85

Para o presidente, não há discussão sobre como o bebê foi gerado ou se há amparo da lei.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) usou suas redes sociais para criticar o aborto legal feito em uma criança de apenas 11 anos que foi vítima de um estupro. O caso ganhou repercussão no País após um hospital se recusar a realizar o procedimento e, na Justiça, a magistrada Joana Ribeiro pedir que ela ficasse “mais um pouquinho” com o bebê na barriga.

No tuíte, Bolsonaro disse que o procedimento foi “inadmissível” e minimizou o fato do aborto legal em caso de estupro estar previsto na própria lei do Brasil.

Publicação do Presidente através do Twitter

“Um bebê de sete meses de gestação, não se discute a forma que ele foi gerado, se está amparada ou não pela lei. É inadmissível falar em tirar a vida desse ser indefeso”, escreveu.

No País, o aborto é garantido em lei nos casos de estupro (que é o caso da menina de apenas 11 anos), quando há risco para a vida da mãe ou em casos de anencefalia do feto, ou seja, quando há má formação do cérebro.

No caso de estupro, não há limite de tempo para a interrupção da gravidez – já que é consequência de um crime – e não é necessária uma autorização judicial para isso.

Ainda assim, Bolsonaro considera que o aborto “só agrava mais a tragédia”.

Fonte: Terra