Delegado Carlos Beuter traz informações sobre homicídio em Condor deste domingo (10/10)

0
58

Ainda na noite deste domingo (10/10), o delegado Carlos Beuter trouxe informações importantes sobre o caso do homicídio ocorrido em Condor, por volta das 20h20, em que resultou no óbito de Rodrigo Corrêa de Almeida, 28 anos.

O delegado iniciou a coletiva de imprensa lamentando mais este delito na cidade de Condor. Posteriormente, colocou que a vítima fatal era residente em Seberi e visitava o irmão. Citou que havia desavença entre dois grupos de amigos, gerada por motivo fútil, onde ocorriam ameaças de parte a parte e onde os ânimos acabaram se alterando. O delegado citou que os dois grupos estavam armados.

O irmão da vítima fatal, prestou depoimento ainda na noite de domingo, e segundo Beuter a narrativa foi de que uma vítima tomou um tiro na face, possivelmente de revólver ou pistola e veio a óbito ao dar entrada no hospital de Condor.

Sabe-se também que nesta troca de tiros, resultou outra vítima que também foi atingido por um tiro na face (maxilar), buscando socorro no hospital de Panambi.

Naquele momento da coletiva, a Polícia Civil possuía os nomes dos envolvidos, dos dois grupos; tinham a narrativa de que haviam armas dos dois lados; faltando ainda ouvir as testemunhas do fato, vizinhos da rua no Bairro Cohab em Condor.

Segundo o delegado, espera-se elucidar o caso identificando claramente, o que cada um dos agentes dos dois grupos que se envolveram neste fato, realizaram. “Nós temos que identificar quem deu os tiros em quem, quem estava com qual tipo de arma, para que depois, através da prova pericial, que certamente o exame de necropsia, a apreensão dos projéteis, vai nos trazer para os autos”, disse Beuter.

Segundo informações do delegado, um membro da família da vítima fatal teria realizado um registro de ameaça na polícia militar na semana passada. Durante a tarde de domingo (10), o rapaz teria passado em frente à residência, mostrado uma arma. A polícia militar foi acionada, e esteve na residência de uma dessas partes, revistou um veículo, conversou e orientou todas as partes. Possivelmente as armas estavam dentro das residências, o que impede que a polícia entre, por não ter visto armamento. Após a polícia sair do local, houve o atrito entre as partes.

O cidadão que deu entrada no pronto socorro em Panambi, e que havia sido atingido no maxilar, não foi preso em flagrante, Segundo Carlos Beuter “na verdade a gente não sabe, até o momento quem é a vítima e quem é o autor. Se esse cidadão foi o que disparou e realizou o óbito da outra vítima”. “Ele não foi apresentado em flagrante delito. Por estar convalescendo e ter sido atingido no maxilar, o depoimento dele será tomado após ter condições clínicas”, disse o delegado.

“Temos uma boa linha de investigação, os nomes estão todos claros, faltam alguns detalhes como a apreensão das armas e a gente aguarda que eles se apresentem, até mesmo para evitar a solicitação de prisões preventivas”, concluiu o delegado Carlo Beuter.

O delegado ainda citou que foram muitos tiros de parte a parte, de um grupo e de outro grupo. “Realmente foi muita sorte de não ter uma criança atingida ou qualquer outra pessoa inocente, que não seja dos grupos beligerantes”, disse.

Agora segue-se a investigação, aguardando laudos e depoimentos para elucidar o caso de forma concreta.