Fóssil de ‘dragão do mar’ gigante com 180 milhões de anos é encontrado

0
154

Pesquisadores descreveram como uma das descobertas mais significativas da região

Os restos fossilizados de um ictiossauro colossal de 180 milhões de anos foram encontrados no Reino Unido, no que os pesquisadores descreveram como uma das descobertas mais significativas da região.

Descoberto em uma reserva no contado de Rutland, nas Midlands Orientais Inglesas, o espécime é o maior e mais completo fóssil de ictiossauro já encontrado no Reino Unido, medindo quase 33 pés (pouco mais de 10 metros) de comprimento e com um crânio pesando uma tonelada.

Acredita-se também que seja a primeira de sua espécie particular — Temnodontosaurus trigonodon — a ser encontrado na Grã-Bretanha.

Répteis marinhos que viveram junto dos dinossauros, os ictiossauros lembram os golfinhos em seu formato corporal. Eles se tornaram extintos cerca de 90 milhões de anos atrás, depois de surgirem pela primeira vez há 250 milhões de anos.

O ictiossauro foi primeiramente descoberto em fevereiro do ano passado na Reserva Natural Rutland Water por Joe Davis, líder da equipe de conservação da organização Leicestershire and Rutland Wildlife Trust, que opera a reserva natural em parceria com o dono Anglian Water.

Davis estava realizando um trabalho de paisagismo de rotina, que envolvia a drenagem da água na lagoa, quando viu partes de vértebras saindo da lama, disse a organização Leicestershire and Rutland Wildlife Trust em um boletim de imprensa.

Em seguida, uma equipe de paleontólogos realizou uma escavação de larga escala em agosto e setembro, liderado por Dean Lomax, especialista em ictiossauros e atual cientista em visitação na Universidade de Manchester.

“O tamanho e a completude juntos é o que o torna verdadeiramente excepcional”, contou Lomax à CNN, dizendo ainda que descobertas anteriores de ictiossauros no Reino Unido não foram “completas tão pouco grandiosas como esta”.

Lomax disse que era o espécime grande mais completo — o qual classificou como sendo de 10 metros ou mais de comprimento — já encontrado no mundo. Ele disse também que foi “uma descoberta realmente fantástica” assim como, para ele, “um marco na carreira”.

“Este foi um predador do topo da cadeia alimentar”, contou à CNN sobre a descoberta. “Então, isto estaria jantando outros ictiossauros, peixes de tamanho grande, e, se conseguisse caçá-los, lulas também.”

Entretanto, Lomax disse que a descoberta foi a “ponta do iceberg”, com muito a se descobrir sobre o espécime depois que pedaços de rocha foram removidos, com a possibilidade da última refeição do ictiossauro ter sido preservada ou até mesmo que o réptil estaria gestante.

“Foi surpreendente”, contou Regan Harris à CNN, porta-voz de Anglian Water. “Quero dizer, você meio que não conseguia acreditar em seus olhos quando estava olhando para ele na sua frente. Mas sim, incrível.”

Harris, que estava presente na escavação, disse que ictiossauros pequenos já foram descobertos na reserva de Rutland Water, mas a “escala completa” e natureza “bem preservada” desta descoberta em particular a tornaram única.

Paul Barrett, pesquisador de mérito do departamento de Ciências de Vertebrados da Terra e Paleobiologia Antropológica no Museu Natural em Londres, disse que o ictiossauro de Rutland foi “provavelmente um dos fósseis mais largos já encontrados, incluindo dinossauros”. Barrett não estava envolvido na descoberta.

“É de verdade objeto realmente impressionante e espetacular”, contou Barrett à CNN. “Certamente uma das descobertas de fósseis marinhos mais impressionantes no Reino Unido que eu consigo me lembrar em pelo menos nos últimos 20 a 30 anos.”

Barrett, cujo trabalho cobriu dinossauros e outros répteis extintos, incluindo ictiossauros, disse que o achado confirma o “cosmopolitismo” das espécies, que anteriormente era conhecido principalmente na Alemanha.

O espécime está atualmente sendo trabalho por um especialista em conversação paleontológica, um processo que levará de 12 a 18 meses. Harris conta que, em seguida, o foco será colocá-lo em exibição pública.

“Nós estamos muito orgulhosos disso, e eu sei que a comunidade local está também”, conta ela à CNN. “Queremos muito trazê-lo de volta para Rutland e exibi-lo para as pessoas aproveitarem.”

Para Lomax, pesquisador líder, uma esperança é explorar ainda mais a reserva de Rutland Water, já que seis ou sete vértebras de outros ictiossauros também foram encontradas durante a escavação.

Ele disse que o fato de que “coisas inesperadas que aconteceram para tornar esta descoberta possível” não passaram despercebidas por ele.

“Honestamente, é incrivelmente incomum”, contou Lomax à CNN. “Ávidos caçadores de fósseis ou paleontólogos podem pesquisar por suas carreiras inteiras e nunca encontrarem nada parecido com isso, mesmo quando você sabe por onde procurar.”

Fonte: CNN Brasil