Líderes mundiais se manifestam sobre ataque da Rússia à Ucrânia

0
132

Boris Johnson diz planejar “pacote maciço” de sanções contra a Rússia

Em um pronunciamento televisionado, o primeiro-ministro do Reino Unido afirmou que um “pacote maciço de sanções econômicas” deve ser anunciado nesta quinta-feira pela Otan.

“Nossos piores medos agora se tornaram realidade e todos os nossos alertas se mostraram tragicamente precisos”, disse Johnson. “Hoje, em consonância com nossos aliados, vamos acordar um pacote maciço de sanções econômicas projetado a tempo de esmagar a economia russa”.

Johnson afirmou que Ocidente deve acabar com sua dependência do petróleo e gás russos, o que deu ao presidente russo Vladimir Putin um controle sobre a política ocidental.

“Nossa missão é clara: diplomaticamente, politicamente, economicamente e eventualmente militarmente, esta investida hedionda e bárbara de Vladimir Putin deve terminar fracassada”, afirmou Johnson.

Países da Europa ocidental acionam Artigo 4º da Otan; entenda

Países membros da Otan na Europa Oriental – Polônia, Estônia, Letônia e Lituânia – acionaram o Artigo 4º da organização para lançar consultas dentro da aliança sobre o ataque da Rússia à Ucrânia.

De acordo com o site da OTAN, a consulta ao abrigo do Artigo 4º pode levar a uma ação coletiva entre os 30 estados membros. “As partes se consultarão sempre que, na opinião de qualquer uma delas, a integridade territorial, a independência política ou a segurança de qualquer uma das partes estiver ameaçada”, diz o artigo 4º do tratado.

Biden promete resposta “decisiva”

Pouco depois de Vladimir Putin anunciar uma “operação militar especial” na região de Donbas, no leste da Ucrânia, o presidente americano Joe Biden afirmou que “os Estados Unidos, seus aliados e parceiros vão responder de forma unida e decisiva”.

Em declaração divulgada pela Casa Branca na madrugada desta quinta-feira (24), Biden disse que a “Rússia sozinha é responsável pela morte e destruição que esse ataque trará”.

As orações do mundo inteiro estão com a Ucrânia nesta noite, que sofre um injustificável ataque por forças militares russas. O presidente Putin escolheu uma guerra premeditada que trará uma perda catastrófica de vidas e sofrimento humano.”

Joe Biden, presidente dos Estados Unidos

Bélgica pede que União Europeia pare de emitir vistos para russos

A Bélgica quer que a União Europeia pare de emitir vistos para todos os cidadãos russos, incluindo estudantes, trabalhadores e turistas, disse o ministro do Asilo e Imigração, nesta quinta-feira (24), em resposta ao ataque de Moscou à Ucrânia.

“O ataque imprudente da Rússia nos obriga a ter cuidado com os russos que desejam vir para a Bélgica”, disse a autoridade belga, Sammy Mahdi, em comunicado.

“No momento, os russos não são bem-vindos aqui, uma proibição geral de visto para russos não deve ser um tabu”, disse ele, acrescentando que isso deve afetar estadias de curto e longo prazo.

Confira abaixo o que declararam líderes mundiais no Twitter logo após o ataque da Rússia.

Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia

“Continuo as negociações com os líderes. Recebi apoio do Emir do Catar @TamimBin Hamad. O mundo está conosco.”

Presidente Joe Biden, dos EUA

A Rússia sozinha é responsável pela morte e destruição que este ataque trará, e os Estados Unidos e seus aliados e parceiros responderão de forma unida e decisiva. O mundo responsabilizará a Rússia.

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Européia

As forças russas invadiram a Ucrânia, um país livre e soberano. Condenamos este ataque bárbaro e os argumentos cínicos usados para justificá-lo. Mais tarde, apresentaremos um pacote de sanções maciças e direcionadas.

Presidente da França, Emmanuel Macron

A França condena veementemente a decisão da Rússia de declarar guerra à Ucrânia. A Rússia deve encerrar suas operações militares imediatamente.

Primeiro Ministro de Portugal, António Costa

Condeno veementemente a ação militar da Rússia contra a Ucrânia. Vou reunir-me com o Ministro dos Negócios Estrangeiros, o Ministro da Defesa Nacional e o Chefe Supremo das Forças Armadas Nacionais (CEMGFA). Pedi também ao Presidente português uma reunião urgente do Conselho Superior da Defesa Nacional. Meus pensamentos estão com o povo ucraniano sob este ataque injustificado e lamentável.

Pedro Sánchez, primeiro-ministro da Espanha

O Governo de Espanha condena a agressão da Rússia contra a Ucrânia e manifesta a sua solidariedade com o Governo ucraniano e o seu povo. Permaneço em contato próximo com nossos parceiros e aliados na União Europeia e @NATO para coordenar nossa resposta.

Boris Johnson, primeiro-ministro inglês

Estou consternado com os terríveis acontecimentos na Ucrânia e falei com o Presidente Zelenskyy para discutir os próximos passos. O presidente Putin escolheu um caminho de derramamento de sangue e destruição ao lançar este ataque não provocado à Ucrânia. O Reino Unido e nossos aliados responderão de forma decisiva.

Justin Trudeau, primeiro-ministro do Canadá

O Canadá condena – nos termos mais fortes possíveis – o flagrante ataque da Rússia à Ucrânia. Essas ações não provocadas são uma clara violação da soberania e integridade territorial da Ucrânia e das obrigações da Rússia sob o direito internacional e a Carta da ONU. O Canadá pede à Rússia que cesse imediatamente todas as ações hostis e provocativas contra a Ucrânia e retire todas as forças militares e procuradas do país. A soberania e a integridade territorial da Ucrânia devem ser respeitadas.

Gitanas Nausėda, presidente da Lituânia

Condeno veementemente o ataque militar da Rússia contra a #Ucrânia. Coloca em perigo milhões de pessoas inocentes e mina os fundamentos da ordem internacional. Cabe ao Ocidente agora responder adequadamente!

Fonte: CNN Brasil