Panambi é considerada a 4ª melhor cidade de pequeno porte do Brasil para se viver

0
161

A classificação leva em conta municípios com população de até 50 mil habitantes_Panambi está no Top 5 de melhores cidades de pequeno porte para se viver no Brasil. Essa conquista foi anunciada em âmbito nacional na quarta-feira, dia 29, na publicação realizada pela revista IstoÉ com a agência de Classificação de Risco de Crédito, Austin Rating, apresentando as melhores colocações entre os 5.565 municípios brasileiros analisados.

Panambi conquistou o 4º lugar entre municípios com até 50 mil habitantes.

Top 5

1.Timbó (SC)

2. Carlos Barbosa (RS)

3. Pomerode (SC)

4. Panambi (RS)

5. Garibaldi (RS)

“Reconhecimento do trabalho” Prefeito de Panambi, Daniel Hinnah celebrou os bons índices na pesquisa e se disse orgulhoso por estar à frente da Administração Municipal neste momento.

“São vários itens avaliados que nos dão esse destaque. É com alegria que recebemos essa avaliação. Viemos trabalhando firme desde 2017 em transparência, boa aplicação e gestão de recursos públicos. É muito importante para Panambi, porque é um reconhecimento do trabalho que vem sendo feito”, diz.

Daniel acredita que esses índices colocam Panambi como um município referência em saúde, educação e qualidade de vida, por exemplo, atraindo ainda mais pessoas em busca de oportunidades.

“É uma responsabilidade conduzir as coisas da forma correta. Buscamos exemplos e modelos em outras cidades, e o resultado está aí, o trabalho está sendo feito”.

Para o prefeito, o que ainda pode melhorar a posição de Panambi é o saneamento básico. “Acredito que se melhorarmos o saneamento neste ano, vamos ficar ainda melhor posicionados entre as melhores do Brasil”.

Critérios: Na pesquisa, foram analisados os 5.565 municípios brasileiros. O objetivo foi analisar, classificar e mapear o nível de desenvolvimento socioeconômico de cada um para formar o ranking.

A Austin Rating desenvolveu o Índice de Inclusão Social e Digital (IISD), que analisou 281 indicadores relacionados às áreas social, econômica, fiscal e digital e permite hierarquizar as cidades com foco na igualdade das oportunidades entre seus habitantes.

Segundo a Istoé, a análise dos indicadores foi feita de forma quantitativa e qualitativa.

As informações dos 281 indicadores para os 5.565 municípios foram extraídas de fontes como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Secretaria do Tesouro Nacional (STN), Datasus, Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC), Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), entre outras.