Panambi recebe nova remessa da CoronaVac e deve imunizar todos com 2ª dose atrasada

0
37

Com a entrega de mais vacinas nesta quarta-feira (19), Panambi deve imunizar todas as pessoas que estavam com a 2ª dose atrasada.

A nova remessa, com 840 doses da CoronaVac (Instituto Butantan), terminará o esquema vacinal das pessoas que receberam a 1ª dose entre o final de março e início de abril.

Em contato com o Secretário Municipal da Saúde, Romário Heitor Malheiros, a reportagem foi informada que a quantidade de doses é o suficiente para imunizar todos aqueles que aguardavam a 2ª dose.

A região receberá 5.960 doses da CoronaVac. Destas, 2.050 serão destinadas para Ijuí e 160 para Condor.

A Secretaria Estadual da Saúde distribui a nova remessa na manhã desta quarta. Ao todo, são 251.200 doses.

O Rio Grande do Sul também recebeu mais 269.100 doses de AstraZeneca. No entanto, elas serão reservadas, por recomendação do Ministério da Saúde, para aplicação da 2ª dose.

Produção suspensa

O Instituto Butantan anunciou recentemente a paralisação imediata da produção até a chegada de um novo lote com 10 mil litros de IFA. De acordo com o governo de São Paulo, para o carregamento ser enviado ao Brasil, ele precisa ser liberado pelo governo chinês, o que não ocorreu até o momento.

Com os 10 mil litros de insumo, o instituto poderá produzir 18 milhões de doses da CoronaVac.

Em coletiva nesta sexta, o governador João Doria culpou o governo brasileiro pelo atraso da liberação, após ter causado um “entrave diplomático” com a China.

Diante da informação, a SB Comunicações perguntou à Fiocruz se o mesmo problema pode dificultar o envio de mais matéria-prima. No entanto, a fundação não se respondeu ao questionamento.

Com o atraso, o diretor do instituto, Dimas Covas, estima que sejam disponibilizadas apenas cinco milhões de doses de vacina em maio, quando a previsão inicial era de 12 milhões de doses.

Nesta sexta-feira (14), o Instituto Butantan finalizou as entregas do primeiro contrato para fornecimento de vacinas contra a Covid-19 ao Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Foi disponibilizado 1,1 milhão de doses na data. Somadas, foram entregues 47,2 milhões de doses da vacina CoronaVac, elaborada em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

O contrato previa o fornecimento de 46 milhões de doses da vacina. Desta forma, com a remessa entregue na sexta, já inicia do cumprimento do segundo contrato para a disponibilização de 54 milhões de doses até o final de agosto.

Entrave diplomático

Durante coletiva de imprensa, o governador de São Paulo, João Doria, atribuiu o atraso na liberação do envio do material a um “entrave diplomático” causado por declarações “desastrosas” de autoridades do governo brasileiro em relação à China e à própria vacina.

Relação

Em audiência pública na Comissão de Relações Exteriores do Senado, o ministro das Relações Exteriores, Carlos França, garantiu que a relação com a China é prioridade para o governo brasileiro. “Queremos um relacionamento econômico e comercial maior e mais diversificado com a China”, reforçou. 

Cooperação

Em publicação nas redes sociais, a embaixada chinesa no Brasil destacou a cooperação com países em desenvolvimento para o acesso a vacinas e insumos. “A China é o maior fornecedor de vacinas para países em desenvolvimento, oferecendo assistências vacinais a mais de 80 nações em desenvolvimento e exportando o imunizante a uns 50 países. A China continua a honrar seu compromisso de tornar suas vacinas um bem público global”, diz a publicação.

*Com informações da Agência Brasil