Salário regional terá reajuste de 5,53%

0
147

Há quase três anos sem reajuste, o piso salarial regional foi reajustado em 5,53%, retroativo a outubro de 2021. O índice é resultado de uma negociação que envolveu governo, oposição e sindicalistas gaúchos durante os últimos três meses. A primeira faixa do piso gaúcho passa de R$ 1.237,15 para R$ 1.305,56. O piso tem outras quatro faixas. Na faixa maior, o piso chegará R$ 1.654,86 após o reajuste.

O projeto inicial do Executivo, apresentado ainda em julho, previa reajuste de apenas 2,73%. O deputado Mainardi (PT), relator do projeto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), apresentou uma emenda ao projeto prevendo 10,3% de reajuste, o equivalente a correção da inflação de 2019 e 2020, mesmo índice reivindicado pelas Centrais sindicais.Desde lá, o tema foi objeto de pressões e negociações que envolveram deputados, representantes do Executivo e líderes das Centrais sindicais. Na última semana, finalmente, o governo do estado e sindicalistas anunciaram um acordo em torno de um índice médio, que repõe parte das perdas inflacionárias. O acordo com os sindicalistas garantiu um acordo político também na Assembleia. Assim, o projeto foi direto para o plenário, com uma emenda apresentada pelo próprio líder do governo, deputado Frederico Antunes (PP).

“Foi uma vitória”, considera o deputado Mainardi, que também é relator de uma subcomissão que está debatendo o tema. “É preciso entender que há uma pressão enorme de empresários para que o piso regional seja extinto. Então, dobrar a proposta do Executivo neste contexto só pode ser considerado uma vitória”, argumenta. “Não achamos que é o ideal, mas foi o possível. É melhor ter os 5,53% do que os 2,7%. A negociação foi o melhor caminho”, acrescenta.

SubcomissãoO deputado Mainardi também está coordenando os trabalhos de uma subcomissão que pretende apresentar uma proposta de política de longo prazo para a valorização do piso salarial gaúcho. “O que votamos hoje não resolve a questão. O fato é que temos uma inflação crescente e ainda maior para os trabalhadores, que gastam seu salário em alimentação, moradia e transporte. Isso não vai desacelerar. Se contarmos a inflação de 2021, que fechará próxima de 11%, temos uma perda de quase 22%. É preciso ter uma visão de longo prazo”, sustenta.

Informação: Rádio Uirapuru