Simers reforça campanha de proteção e defende autonomia médica com veemência

0
28
Médicos estrangeiros e brasileiros que se graduaram em outro país, fazem a segunda etapa da edição 2017 do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira (Revalida).

Em meio a um cenário alarmante na saúde devido ao agravamento da pandemia do coronavírus, situações de carências diversas, tensão e atos de violência contra os profissionais que atuam na linha de frente são motivos de registros diários no Canal de Denúncias do Simers (Sindicato Médico do Rio Grande do Sul). A partir das ocorrências, a entidade atua para estabelecer ações imediatas e efetivas em prol de adequadas condições de trabalho, segurança e valorização dos médicos. Nesse sentido, o Simers afasta toda e qualquer dúvida sobre a defesa de condutas específicas de médicos e defende com veemência uma de suas principais bandeiras: a autonomia médica.

O posicionamento da entidade é fundamentado nos princípios fundamentais do CEM (Código de Ética Médica), que trata da “objeção de consciência”. A norma define que o médico exercerá sua profissão com autonomia, não sendo obrigado a prestar serviços que contrariem os ditames de sua consciência. Conforme o presidente do Simers, Marcelo Matias, “a regra consta no Código de Ética Médica e é uma conduta salutar para a trajetória e a carreira do profissional”. O dirigente informa que exalta tal referência em todas as ocasiões em que há questionamento sobre procedimentos médicos na indicação ou condução do tratamento contra a Covid-19. Matias observa que o médico deve ter liberdade para indicar o tratamento que achar mais conveniente e assim fazê-lo com o consentimento do seu paciente, conforme regra pertinente.

O tema vem ganhando maior espaço devido ao aumento dos casos e de mortes relacionadas à doença em todo o país. A carência de estrutura e insumos, as expectativas sobre o processo de vacinação, a insegurança sob diferentes aspectos sociais, a falta de pesquisas e comprovações de estudos que possam definir ou padronizar condutas em benefício da saúde da população, estabeleceram um cenário desafiador a todos. Os profissionais da saúde, mesmo reconhecidos pelo incansável e importante trabalho que realizam, são estrondosamente cobrados pelo que representam à esperança de recuperação dos cidadãos que adoecem ou dos familiares e amigos que aguardam o restabelecimento dos entes queridos.

Neste momento, o Simers exalta a autonomia médica e reitera a importância do respeito ao Ato Médico e ao Código de Ética Médica. A entidade estabelece campanha de conscientização e, ainda, reforça a equipe técnica especializada para atender e defender aos médicos plantão 24 horas disponível aos profissionais em diversas áreas, como forma de evitar qualquer transtorno ou prejuízo à condição de trabalho dos profissionais que se dedicam com responsabilidade e zelo à saúde e à vida da população.

Fonte: Simers