Conecte-se conosco

Destaque APP

Sumiço de advogada de São Leopoldo completa 10 meses de mistério: “Seguimos procurando como no primeiro dia”, diz tia 

Publicado em

em

Polícia Civil diz que caso ainda é priporidade, mas não houve avanço; família mantém as buscas.

Há 10 meses, uma rotina completamente diferente do que costumava ser habitual se impõe em uma das casas cinzas do bairro Cristo Rei, em São Leopoldo. Todos os dias, familiares de Alessandra Dellatorre analisam informações que chegam e fazem buscas pelo paradeiro da advogada de 29 anos. Em julho do ano passado, ela saiu de casa para caminhar, no município do Vale do Sinos, e nunca mais voltou. A história que comoveu a comunidade e engajou moradores em buscas contínuas segue um mistério: nenhuma pista levou ao encontro de Alessandra, nenhum corpo foi achado. Na Polícia Civil, o inquérito segue aberto, sem novidades.

Os novos hábitos da família incluem buscas em pontos estratégicos pelo Vale do Sinos e o contato constante com investigadores particulares, contratados para apurar o caso em paralelo à investigação policial. 

A transformação no dia a dia da família aconteceu não apenas de forma inesperada como dolorosa. Ainda assim, a tia da jovem, Érica Dellatorre, afirma que não existe outra alternativa possível, já que os parentes acreditam que a advogada está viva:

— Todo dia, a gente faz buscas, publica nas redes, refaz passos. Passamos o dia pensando onde ela está e como podemos fazer para encontrá-la. No fim do dia, nos reunimos numa chamada em grupo para avaliar o que deu certo, o que não funcionou, o que faremos nos dias seguintes — conta Érica.

A tia acrescenta que todos estão muito unidos e que encontrar Alessandra é uma meta:

— Nunca pensamos que fosse chegar a tanto tempo, mas acreditamos que ela está viva e não vamos parar. Seguimos procurando como no primeiro dia, no mesmo ritmo daquele julho de 2022.

Enquanto Érica conversava com a reportagem, o pai e o tio da jovem se dividiam em duas buscas na sexta-feira (26).

Caminhada que nunca teve retorno

Naquele 16 de julho, um sábado, Alessandra saiu de casa no começo da tarde vestindo moletom e calça pretos, sem celular nem documentos. As caminhadas eram atividade frequente para a jovem, segundo familiares. No percurso, a advogada entrou em uma área conhecida como Matão, no limite entre São Leopoldo e Sapucaia do Sul. O espaço, entre árvores altas, costuma ser usado para caminhadas, corridas e trilhas de bicicleta.

No entorno do local, há câmeras de monitoramento, mas nenhuma registrou uma possível saída de Alessandra. Buscas foram feitas no local pelas autoridades, mas nada foi encontrado.

Para a família, este é um dos fatores que mantém viva a esperança de que a advogada esteja viva.

— Enquanto não for encontrado um corpo, temos esperança. Não tem nada naquele mato, nada foi achado. Acreditamos que, de alguma forma, ela saiu dali. Não sabemos como está depois de tanto tempo, talvez desorientada. Vamos manter as buscas leve o tempo que for — diz Érica.

Alessandra é descrita como uma pessoa simples e amorosa, que faz amizade fácil. Filha única, também tem “opiniões firmes e é decidida”. Formada em Direito, ela vinha estudando para concurso público e morava com os pais.

O desaparecimento causou comoção e mobilizou moradores em diversas partes do Estado, que passaram a procurar pela jovem. Cartazes e fotos dela foram espalhados em diferentes municípios do Vale do Sinos, pelo Litoral Norte e na Serra. Na metade de setembro, um outdoor foi instalado pela família de Alessandra em uma das esquinas mais movimentadas do centro de São Leopoldo.

Investigação em aberto

O inquérito que investiga o paradeiro de Alessandra está a cargo da delegada Mariana Studart, titular da Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) de São Leopoldo. Segundo ela, a investigação segue em aberto:

— Nós continuamos apurando, este caso segue uma prioridade para a polícia. Conforme surgem novos fatos, nós averiguarmos, fazemos diligências. Até o momento, infelizmente, as informações e relatos que chegaram à delegacia não se confirmaram, não levaram ao paradeiro da jovem.

Desde o sumiço, mais de 20 pessoas foram ouvidas pelas equipes. Imagens de câmeras de segurança foram analisadas e buscas foram feitas, com apoio dos bombeiros e da Brigada Militar. A Polícia Civil também pediu à Justiça a quebra do sigilo do celular da jovem, para checar se conversas poderiam indicar alguma pista, mas nada foi encontrado.

Para a polícia, a possibilidade de ela ter sofrido algum crime violento, como assalto ou sequestro, é remota.

Jovem saiu para caminhar, em São Leopodo, e nunca mais voltou.

Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Lauro Alves / Agencia RBS

Fonte: Gaúcha ZH/Bruna Viesser

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque APP

Receita Certa tem R$ 17,3 milhões disponíveis para resgate até sábado (13)

Publicado em

em

Os participantes do Nota Fiscal Gaúcha (NFG) premiados no Receita Certa, modalidade de cashback do programa, têm até o próximo sábado (13/7) para fazer o resgate dos valores. Depois disso, as premiações não poderão mais ser reivindicadas.

Para saberem se têm recursos a receber, os contribuintes devem acessar o site ou o aplicativo do NFG, fazer o login e clicar em Meus prêmios. Há a opção de regate por pix e via depósito em conta corrente ou em poupança ativa do Banrisul. O repasse só está disponível para contas vinculadas ao CPF cadastrado no programa – assim, não é possível solicitar transferência via pix para chaves que utilizem e-mail ou telefone.

No total, o Receita Certa referente ao quarto trimestre de 2023 disponibilizou R$ 46,3 milhões para 3,1 milhões de pessoas. Esta é uma redistribuição de valores que não foram resgatados dentro do prazo em meses anteriores. Isso ocorre porque o cálculo trimestral não apontou aumento real na arrecadação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do varejo.

No total, a “sobra” chegou a R$ 46,4 milhões, mas cada pessoa precisa atingir o valor mínimo de R$ 1 para que seja possível fazer o resgate. Por isso, na prática, o recurso disponível é de R$ 46,3 milhões. Os premiados são contribuintes que solicitaram a inclusão do CPF nas notas fiscais de compras realizadas entre outubro e dezembro de 2023.

Até o início da manhã desta quinta-feira (11/7), 1,6 milhão de participantes havia pedido a devolução dos recursos a que tem direito, somando pouco mais de R$ 29 milhões resgatados. Portanto, 1,5 milhão de contribuintes ainda pode fazer a solicitação de cerca de R$ 17,3 milhões.

A média por ganhador é de R$ 14,92, sendo que o repasse mais alto chega a R$ 52,53. Os recursos variam de acordo com faixas e mudam de contribuinte para contribuinte: quanto mais notas com CPF a pessoa acumula e quanto mais alto for o valor dos documentos, maior é a quantia disponibilizada.

O cálculo referente ao primeiro trimestre de 2024 deve ser realizado nas próximas semanas.

Conheça as vantagens do NFG

Com 3,7 milhões de participantes, o NFG é um programa que incentiva os contribuintes a solicitarem a inclusão do número do CPF nas notas fiscais na hora da compra, em uma iniciativa de cidadania fiscal. Com isso, as pessoas inscritas podem obter diferentes vantagens. Além do Receita Certa, há outras modalidades. Confira:

  • Sorteios mensais: ocorrem tradicionalmente após as últimas quartas-feiras de cada mês (com exceções em datas especiais) e distribuem prêmios de R$ 50 mil, R$ 5 mil e R$ 1 mil. No mês de dezembro, a premiação principal é de R$ 100 mil. Todos os inscritos no NFG que incluem o CPF na nota no período válido participam automaticamente.
  • Receita da Sorte: distribui diariamente prêmios instantâneos de R$ 500, de R$ 50, de R$ 10 e de R$ 5. No total, são R$ 24 mil por dia. Em datas especiais, as premiações chegam a R$ 1 mil. Para concorrer, é preciso ter o aplicativo do NFG instalado e solicitar CPF na nota. No mesmo dia da compra, os contribuintes devem acessar a aba Receita da Sorte e clicar na nota fiscal ou fazer a leitura do QR Code do documento. O resultado sai na hora.
  • Bom Cidadão: é um desconto no valor do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), que varia de acordo com o número de notas fiscais com CPF. Quem acumula 150 notas ou mais alcança redução de 5%. O desconto é de 3% para quem tem entre 100 e 149 documentos e de 1% para quem acumula de 51 a 99 notas.
  • Repasse a entidades: na hora do cadastro, os cidadãos podem escolher pelo menos uma entidade da sua região que atue nas áreas de assistência social, educação, saúde e proteção animal. As instituições indicadas podem receber repasses em dinheiro. É possível indicar até cinco entidades, sendo que uma delas deve pertencer a um Conselho Regional de Desenvolvimento diferente dos demais.

Texto: Bibiana Dihl/Ascom Sefaz
Edição: Secom

Por Observador Regional

Continue lendo

Destaque APP

Primeiro semestre de 2024 tem redução nos crimes violentos contra a vida e o patrimônio

Publicado em

em

O primeiro semestre do ano finalizou com queda nas mortes violentas em todo o Estado. Os latrocínios caíram 28% em 2024, na comparação com o primeiro semestre do ano anterior. Em 2023, o Estado registrou 25 vítimas de roubo seguido de morte, enquanto em 2024 foram 18. As tabelas foram publicadas no site da Secretaria da Segurança Pública (SSP). A pasta também divulgou, nesta quarta-feira (10/7), os indicadores referentes a junho.

Os crimes de feminicídio reduziram 36% no período de janeiro a junho de 2024, em comparação com o ano anterior. Foram 28 mortes em razão de gênero no primeiro semestre deste ano, enquanto em 2023 o Estado registrou 44 vítimas de feminicídio. Os homicídios reduziram 17,8% em comparação com o primeiro semestre de 2023. No acumulado, foram 726 vítimas em 2024, frente às 883 vítimas deste crime em 2023.

Roubo de veículos tem o menor total da série histórica

Os crimes violentos contra o patrimônio também reduziram no primeiro semestre de 2024, principalmente em razão das ações integradas entre Brigada Militar e Polícia Civil. O roubo de pedestres teve o menor total da série histórica no acumulado do período, com queda de 45% no semestre, em comparação com 2023. O roubo de veículos também foi o menor na série histórica no período. Os 1.228 casos registrados no primeiro semestre deste ano representam uma queda de 40% frente aos mais de 2 mil roubos de veículos do mesmo período de 2023.

No campo, os indicadores de furto abigeato seguem a tendência de queda registrada nos demais crimes patrimoniais. No primeiro semestre de 2024 a queda foi de 25% em comparação aos casos registrados no mesmo período do ano anterior.

No transporte coletivo a retração foi de 43,4% com 172 casos registrados em 2024, frente às 304 ocorrências do mesmo período de 2023. As ocorrências em estabelecimentos comerciais tiveram redução de 16,5% no período avaliado. A análise dos indicadores do mês de junho pode ser conferida no site da SSP.

Texto: Ascom SSP Edição: Secom

Por Observador Regional

Continue lendo

Destaque APP

Rio Grande do Sul confirma 25 mortes por leptospirose

Publicado em

em

Mais de dois meses após as primeiras enchentes registradas no Rio Grande do Sul, o estado já contabiliza 546 casos confirmados de leptospirose e 25 mortes provocadas pela doença.

Dados da Secretaria de Saúde mostram que, ao todo, 6.520 casos foram notificados, sendo que 3.811 permanecem em investigação. Há ainda seis mortes notificadas que seguem sendo investigadas.

Os óbitos foram notificados nos seguintes municípios gaúchos: Teutônia (1); São Jerônimo (1); Esteio (1); Estrela (1); Capela de Santana (1); Rio Grande (1); Pelotas (1); Venâncio Aires (1); Três Coroas (1); Travesseiro (1); Sapucaia do Sul (1); Igrejinha (1); Guaíba (1); Encantado (1); Charqueadas (1); Cachoeirinha (1); Alecrim (1); Canoas (2); Viamão (2); São Leopoldo (2); Alvorada (2); Novo Hamburgo (2); e Porto Alegre (4).

Vigilância

Desde o início das enchentes no Rio Grande do Sul, o Centro Estadual de Vigilância em Saúde monitora doenças e agravos relacionados a esse tipo de calamidade. Até o último dia 3, além dos casos de leptospirose, foram notificadas 10 vítimas de tétano acidental, sendo quatro confirmadas; 25 casos de hepatite A, dos quais um foi confirmado; 3.866 casos em que foi preciso administrar atendimento antirrábico; e 959 acidentes com animais peçonhentos.

Edição: Kleber Sampaio

Foto: Rafa Neddermeyer Fonte: Agência Brasil

Por Rádio Blau Nunes

Continue lendo