“Um jovem problemático”: delegado traça perfil de responsável por atacar creche com facão em SC

0
138

Em coletiva de imprensa realizada no final da tarde desta terça-feira (4/5), o delegado Jerônimo Marçal Ferreira divulgou informações preliminares que traçam o perfil de Fabiano Kipper Mai, 18 anos, responsável pelo ataque à na Escola Infantil Pró-Infância Aquarelado, em Saudades, Santa Catarina.

“O perfil todo a gente vai tratar ao longo dos próximos dias, mas o rapaz é problemático, né? Quem me relatou isso foram pessoas próximas a ele. Ele sofria bullying na escola, vinha maltratando alguns animais. Ele é muito introspectivo, aquele perfil que hoje já não é mais tão incomum, que é comum na nossa sociedade”, afirmou Ferreira.

Pessoas ouvidas pela polícia afirmaram que Fabiano era um jovem “quietão”, sem namorada e que havia se afastado dos poucos amigos que tinha há poucos dias.

“Um perfil que já não é mais tão incomum, o jovem que se tranca no quarto e a família não sabe o que ele está fazendo no computador. Ele tinha alguns problemas dentro de casa e, de acordo com familiares, não queria mais ir para a escola.”

O delegado reforça que ninguém da família imaginava que o jovem de 18 anos poderia cometer o crime. “Inclusive, as informações dão conta de que ninguém sabia e ninguém ajudou”.

Duas armas brancas foram apreendidas pela polícia, um facão e uma katana (espada samurai). Elas teriam sido compradas recentementes:

“Inclusive, a irmã dele perguntou o que ele iria fazer com as armas e ele disse, em tom de brincadeira, que era para maltratar um animal que ela tinha em casa”, afirmou.

O delegado frisou que ainda não foi possível interrogar Fabiano. Ele está em um hospital de Chapecó se recuperando após tentar se matar com um corte no pescoço.

Ele ainda afirmou que todas as vítimas receberam pelo menos cinco golpes de facão.
“Uma delas chegou a ter cinco perfurações nas costas, dois no tórax e dois na cabeça.”

As vítimas

Três crianças com menos de dois anos e duas professoras foram mortas pelo jovem.

As professoras foram identificadas como:

  • Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos, professora na unidade há cerca de dez anos
  • Mirla Amanda Renner Costa, de 20 anos, atuava como agente educacional na creche.

Já as crianças são:

  • Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses
  • Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses
  • Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses.

O delegado afirmou que o número de crianças atacadas só não foi maior porque as professoras esconderam as crianças e trancaram a porta das salas de aula. Ele teria tentado entrar em todas.

“O dia mais triste da história do nosso município”

Durante a coletiva, o prefeito de Saudades, Maciel Schneider, afirmou que o 4 de maio é o “mais triste da história do nosso município”.

“Jamais poderíamos imaginar em passar por um momento como esse. Somos uma cidade acolhedora, tanto que o nosso lema é o ‘Vale da Hospitalidade’. Nos assusta o fato que aconteceu, mas agradecemos o trabalho de todos para elucidar este crime”, desabafou.

A governadora esteve em Saudades visitando as famílias e as autoridades locais. Na coletiva, afirmou que o momento é “de dor para Santa Catarina e para o Brasil”.

“As pessoas não estão preparadas e nem podem imaginar que algo assim possa acontecer. Eu prontamente acionei as nossas forças de segurança para que estivessem aqui. Não há o que traga de volta essas vítimas nem o que compense essa dor. O momento é de trazer nosso apoio e nossa solidariedade. Nosso zelo é muito maior quando falamos de crianças, que não têm condições de se defender. Hoje nós tivemos aqui também duas heroínas. O que desejamos nessa hora é força e resiliência”, afirmou a governadora.