Conecte-se conosco

Destaque APP

Acompanhados do cachorro Galeto, casal das Missões viaja o mundo em uma Kombi adaptada como motor home

Publicado em

em

Se já não é fácil viver em um apartamento com um cachorro adulto, mescla de golden com labrador, pense como seria rodar o mundo com esse cão. E dentro de uma Kombi. A resposta é mais impactante do que o imaginado: o pet chamado Galeto é o menor dos problemas.

— Ele é muito tranquilo. Perrengue mesmo é a Kombi, que fundiu o motor no primeiro dia — se diverte Vanessa Kapper, 31 anos, ao recordar do histórico assustador.

Vanessa e o namorado, Lorenzo Marques, 36, são os tutores de Galeto — e, porque não dizer, também do veículo de personalidade difícil, batizada de “Madalena”. O meio de transporte foi comprado e adaptado em 2018, em um investimento inicial de R$ 20 mil. Com os recursos modestos, foram feitos alguns consertos, a compra de um cooler e a colocação de armários. Atualmente, o carro já está na sua terceira versão: tem sofá-cama retrátil, fogão de duas bocas, pia com torneira, tomadas, chuveiro e frigobar, tudo sob medida. Os eletrônicos são alimentados por placas solares colocadas sobre o teto. Já uma mistura química manda embora os dejetos – sim, há uma privada, com tampa, no espaço de 3 m². Mas funciona sob regras.

— A gente só faz o “número um” na Kombi — se adianta Vanessa.

Madalena nasceu de um desejo do casal, fã de viagens. Ambos estavam cansados do dia a dia: ele era servidor público em Brasília, e ela tinha uma loja em Santo Ângelo, região das Missões, noroeste do Rio Grande do Sul. Ao pedir demissão, Lorenzo voltou a morar em Santo Ângelo, conheceu Vanessa, ela vendeu o comércio e, seis meses depois, juntaram as economias para tentar a vida sobre rodas e muitos pelos do mascote.

— Não me arrependi sequer um minuto, ou um dia. Foi a melhor decisão que tomei na minha vida — afirmou Lorenzo no programa Timeline Gaúcha, na manhã desta quarta-feira (18) – ouça a entrevista no final desta reportagem.

O meio de transporte foi comprado e adaptado em 2018
Anselmo Cunha / Agencia RBS

Na primeira viagem mencionada, tiveram de ficar uma semana em São Borja, na Fronteira Oeste, à espera da retífica do motor. À época, jornais da cidade haviam noticiado a aventura prevista para superar os 20 mil quilômetros. Pararam na primeira centena, relembra o casal, às gargalhadas.

Em cinco anos, já foram 22 paradas para intervenção no “coração” do automóvel, um perrengue que ajudou a tornar as viagens mais interessantes aos seguidores do Instagram. A rotina, compartilhada pelo perfil Por Aí de Kombi, é acompanhada por 311 mil seguidores – marca da tarde desta quarta-feira (18) -, em vídeos editados pelos próprios viajantes. A partir de convites, posts patrocinados, venda de produtos estilizados com a iniciativa e parcerias, a dupla consegue bancar o objetivo de rodar o mundo sobre rodas.

Madalena ganhará um sucessor

Galeto passou a caroneiro ainda filhote, na segunda trip realizada.

— Só não esperava que crescesse tanto — mostra surpresa o tutor.

O bicho dorme embaixo da cama, e só causa algum tipo de inconveniência quando os locais visitados não aceitam animais. A preferência, por óbvio, é ficar sob o teto metálico junto do pet.

Após a virada do ano, a Kombi e seus moradores pararam em Capão da Canoa, no Litoral Norte, onde a mãe de Lorenzo tem casa de veraneio. O odômetro do painel já ultrapassou 100 mil quilômetros desde sua aquisição – soma-se a isso o que havia sido rodado desde 1994, em incontáveis voltas a partir do dia em que saiu da fábrica da Volkswagen.

A lataria, amarela na parte inferior e branca na altura dos vidros, é decorada com adesivos da bandeira de inúmeros locais. Em uma das laterais, há uma lista de cidades, que são riscadas logo que visitadas: Machu Picchu, La Paz, Quito e deserto do Atacama estão nos destinos internacionais da América do Sul, enquanto que outras três dezenas de cidades brasileiras completam a lista, de Cambará do Sul aos Lençóis Maranhenses.

Em Santa Catarina, repousa o sucessor de Madalena, que está com a aposentadoria marcada. “Madalenão” é um ônibus escolar, ano 1989, popularmente conhecido como “school bus”, utilizado para levar a criançada ao colégio nos Estados Unidos. Tem mais de três vezes o tamanho da Kombi, e aguarda a obra de adaptação dos móveis para abrir caminho. A aquisição do Madalenão contou com a ajuda dos seguidores da rede social.

— Fizemos uma campanha do “Pix de R$ 1”. Com isso juntamos os R$ 55 mil pra comprar o ônibus — explica Vanessa, com o celular em mãos, exibindo também os braços tatuados com homenagens à casa itinerante atualmente ativa.

O que acontecerá com a pioneira da família ainda é um mistério, mas ela não será abandona, garantem. Alguns passeios são feitos no irmão mais novo, o Del Rey “Amadeu”, comprado por R$ 2,5 mil no ano de 2021. O Jalapão, no Tocantins, é um dos exemplos, visitado a bordo do Amadeu.

— Esse é ano 1986, gostamos de veículos não convencionais — brinca mais uma vez a mochileira.

Fonte: GZH

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque APP

Amigos resgatam 20 gatos e 1 cão dentro de casa inundada em Canoas, RS

Publicado em

em

Amigos resgatam 20 gatos e 1 cão que estavam ilhados em uma casa na cidade de Canoas, no RS. Esse gatinho agarrado na grade pedia socorro. – Foto: reprodução Instagram @rafa.specht

Heróis sem capa agem de novo! Dessa vez, amigos resgatam 20 gatos e um cão que estavam presos em uma casa inundada na cidade de Canoas, após as enchentes do Rio Grande do Sul (RS).

Segundo o empresário curitibano Rafael Specht, um miado do gato chamou atenção dele e do grupo. Quando se aproximaram da residência, viram o bichinho subindo pela grade de uma janela e isso emocionou a todos que estavam na embarcação.

Eles conseguiram entrar no imóvel e então a surpresa veio. No local havia mais 19 gatos – entre eles, um cego – e um cãozinho. Com paciência e esforço os voluntários retiraram todos da casa. Nas redes sociais, os seguidores de Rafael comemoraram o resgate. “Obrigada por tanto”.

Pelos irmãos do Sul  

Rafael  mobilizou um grupo de amigos e eles viajaram de carro para participar das operações de resgate.

Na bagagem, eles levaram 10 barcos com motores e muita boa vontade para ajudar os irmãos do Rio Grande Sul.

Todos atuaram como voluntários de terça-feira (7) a sexta (10) auxiliando pessoas e animais que estavam ilhados.

Resgate emocionante

Quando ouviu o miado, Rafael conseguiu registrar uma cena forte e emocionante. Um dos gatinhos que estavam na casa tentava se agarrar nas grades da janela e sempre acabava caindo na água.

“Meu Deus, gente! Olha o gatinho alí. Coitado”, disse Rafael logo no início do vídeo, que viralizou no Instagram e no TikTok.

Logo o grupo se aproximou do imóvel e se mobilizou para salvar o gatinho. “Ah, mas nós vamos pegar esse branquinho”, disse Rafael, sem saber que resgataria muitas outras vidinhas no local.

Os voluntários improvisaram um colchão para carregar todos os gatos e cachorro. Como a quantidade era grande, eles conseguiram tirar uma caixa d’água que boiava e colocaram todos dentro para então levar na embarcação.

Donos foram encontrados

Os gatos resgatados foram entregues a uma protetora de animais local, que está cuidando deles até que possam ser devolvidos aos donos.

Rafael deixou os seguidores mais tranquilos, ao informar que os donos dos bichinhos também foram encontrados.

“Meu vídeo ganhou muita visibilidade nas redes sociais, e através dele, a sobrinha da dona da casa entrou em contato comigo”, contou.

“Passei o contato para a protetora de animais que acolheu os bichos, e acredito que a dona deles conseguirá recuperá-los. Acho que essa história terá um final feliz”, acrescentou o empresário.

Outro resgate emocionante

Rafael voltou a emocionar os seguidores no dia 10 de maio, ao postar outro resgate de animais, dessa vez uma cadelinha que foi adotada por um grupo de freiras.

No vídeo, ele contou que mobilizou os policiais civis de Canoas e foram até o Centro Educacional Madre Josefa, que ainda estava bem alagado, retirar a cachorrinha Castanha.

O empresário levou a Irmã Laura Isabela Hertz, uma das freiras que trabalha e vive na escola.

No vídeo, Rafael explicou que no dia da evacuação, a Castanha não pôde ser levada e ele fez questão de ir lá retirar a cadelinha.

“A cadela, que é dócil com as religiosas e conhecidos, é braba com pessoas estranhas. Por isso, para evitar que ela se agitasse e pudesse virar o barco durante o resgate das Irmãs, foi necessário deixar a Castanha, com ração e água, na escola do bairro Fátima. Mais uma vez, agradecemos muito a todos os que estão empenhados em salvar pessoas e animais das áreas inundadas”, dizia a publicação.

Missão linda a sua, Rafael! Quanto orgulho! Gratidão!

Fonte: Só notícia boa

Continue lendo

Destaque APP

RS: petshop deixou animais morrerem no subsolo e salvou computadores, diz delegada

Publicado em

em

Agentes do Ibama, do Comando Ambiental da Brigada Militar e do IGP (Instituto Geral de Perícias) realizaram vistoria no local nesta quinta (23)

O petshop Cobasi, em Porto Alegre (RS), salvou os computadores da loja, enquanto deixou animais no subsolo, quando o local foi afetado pelas enchentes que atingiram o estado gaúcho, segundo a delegada da Polícia Civil do Rio Grande do Sul Samieh Saleh.

“Identificamos que os computadores, CPUs que estavam nos caixas no subsolo foram retirados e colocados no mezanino. Eles tiveram esse cuidado em retirar os eletrônicos, mas os animais ficaram embaixo”, disse.

A evacuação da loja aconteceu no dia 3 de maio, na unidade situada shopping Praia de Belas. Posteriormente, aves, peixes e roedores acabaram morrendo afogados pela enchente que acometeu o local.

Nesta quinta-feira (23), a Polícia Civil do RS, por meio da Delegacia de Polícia de Proteção ao Meio Ambiente, juntamente com o Delegacia de Polícia de Proteção ao Meio Ambiente, realizou uma vistoria no local. Durante a vistoria, diversos animais, entre pássaros e roedores, que morreram afogados foram retirados.

Duas unidades da Cobasi são investigadas pela Delegacia do Meio Ambiente, por crime de maus-tratos aos animais.

De acordo com a empresa investigada, a água chegou a alcançar 3,5 metros de altura no interior da loja.

Ainda segundo a delegada, diversas testemunhas foram ouvidas, e há a previsão de outras pessoas sejam ouvidas no decorrer da semana.

O Ibama também aplicou duas notificações à empresa.

A Cobasi explicou que os colaboradores da loja precisaram deixar o ambiente de forma emergencial. Antes de sair, conforme nota enviada à CNN, “os colaboradores da loja tomaram todas as providências para garantir que as aves, pequenos roedores e peixes estivessem em altura segura e alimentados para sua sobrevivência até o retorno dos colaboradores”.

A marca reitera que, naquele momento, não possuíam a dimensão do desastres que atingiria a capital gaúcha.

“Cabe destacar que apenas as 4 CPUs dos checkouts da loja foram levadas ao andar superior, por se encontrarem a 20 centímetros do chão, local que ficava junto aos pés das operadoras de caixa, porém todos os outros equipamentos relacionados aos checkouts permaneceram em suas posições originais”, continua o comunicado.

Por fim, a empresa lamentou o ocorrido e disse que segue colaborando com as autoridades. A Cobasi diz que “irá comprovar todas as informações relatadas acima nos autos.

Continue lendo

Destaque APP

Agricultor morre ao ser atingido por raio enquanto trabalhava no norte do RS

Publicado em

em

Um homem de 38 anos, identificado como Sidnei Milkiewicz morreu após ser atingido por um raio na tarde de quinta-feira, 23 de maio, na localidade de Sete de Setembro, zona rural de Erval Grande.

Segundo informações preliminares, a vítima teria saído de sua residência para buscar algumas vacas próximo ao local do fato, para que fosse feita a ordenha das mesmas, quando acabou sendo atingido pela descarga elétrica.

Os Bombeiros Voluntários de São Valentim, junto com o Samu e a Brigada Militar de Erval Grande, foram acionados para a ocorrência, mas, ao chegarem ao local, o homem já estava em óbito. A Brigada Militar permaneceu no local até a remoção do corpo.

Fonte: Com informações do Portal GT News

Continue lendo