Conecte-se conosco

Destaque APP

Advogado dos casos Bernardo e Kiss é apontado pelo MP como ‘braço financeiro’ de organização criminosa do RS; ele nega

Publicado em

em

Jean Severo está entre as 24 pessoas que viraram rés na segunda-feira (28). De acordo com o Ministério Público, ele ocultou bens de traficantes, forneceu contas para lavagem dinheiro do tráfico de drogas e simulou negócios para impedir a identificação do patrimônio do grupo.

Jean Severo demonstra insatisfação durante depoimento de testemunha .

Um advogado que atuou nos júris dos casos Rafael, Kiss e Bernardo é apontado pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) como ‘braço financeiro’ de uma organização criminosa. Jean Severo está entre as 24 pessoas que viraram rés na segunda-feira (28).

A investigação começou em 2019. A denúncia foi aceita pela Vara de Lavagem de Dinheiro de Porto Alegre. O advogado é acusado de organização criminosa, lavagem de dinheiro e receptação.

Jean Severo negou as acusações e disse à reportagem da RBS TV que está sendo perseguido. “Isso é uma tremenda mentira. A Polícia Civil e o Ministério Público são órgãos covardes. Eu fui acusado disso por rasgar livro de promotor e por dizer que delegado de polícia em júri era mentiroso e covarde”, alega o advogado.

O delegado Márcio Niederauer, que investigou o caso, afirmou que “a conclusão do inquérito policial baseia-se em provas técnicas, pautadas em diversos elementos colhidos ao longo da investigação”. Ele acrescenta que “não por acaso os indiciados foram denunciados pelo Ministério Público, e a denúncia foi recebida pelo Poder Judiciário”.

O Ministério Público não comentou as declarações do advogado.

A denúncia

De acordo com o MP, era pelo advogado que o chefe de uma organização criminosa, preso em uma penitenciária federal, repassava as ordens ao grupo. Os promotores acrescentam que o defensor ocultou bens de traficantes, forneceu contas de passagem para lavagem de dinheiro e simulou negócios para impedir a identificação do patrimônio dos integrantes do grupo.

“Ao agir assim, Jean Severo assumiu a efetiva função de integrante do grupo criminoso, em completo desrespeito aos postulados da advocacia”, diz trecho da denúncia.

Conversas entre os suspeitos de integrarem o grupo, interceptadas pela polícia, levaram ao nome de Jean. Por ser advogado de um dos chefes da organização criminosa, ele teria livre acesso ao comando e atuaria diretamente no cumprimento de determinações do primeiro escalão e no repasse de ordens.

“Este escalão é formado pelos indivíduos que atuam no apoio direto, notadamente pela maior confiança que possuem dentro da organização. Portanto, comunicavam-se diretamente com os líderes-maiores do grupo e a eles respondiam por suas ações, já que considerados seus “braços-direitos”‘, afirmam os promotores.

Uma das provas levantadas pelo MP seria uma troca de mensagens de Jean com outro denunciado, ocorrida em junho de 2018. O advogado escreve: ‘o menino me liberou 10. Posso ir buscar?’. Menino seria a alcunha utilizada pelo traficante Antonio Marco Braga Campos.

Segundo os promotores, em 2018, foram depositados, em sequência, mais de R$ 150 mil. A quantia seria dinheiro do tráfico de drogas para ser lavado.

“No presídio federal não existe como passar mensagens, qualquer acadêmico de direito sabe. E esse rapaz estava com problema psiquiátrico aqui no Rio Grande do Sul, eu tenho laudo aqui pra mostrar, só que pra polícia não interessa”, contesta Jean.

O crime de receptação teria sido cometido a partir de um veículo de luxo usado por Jean. O MP afirma que o carro foi comprado por chefes da organização criminosa e repassado para o advogado.

Policiais cumpriram ordens judiciais na casa do defensor e apreenderam a chave do veículo. O objeto foi enviado para a fabricante, fora do país, e constatou-se que o carro era clonado.

“As chaves apreendidas foram encaminhadas para a Alemanha, averiguando-se que o chassi único vinculado correspondia a um veículo emplacado em Santa Catarina em nome de uma pessoa jurídica cujos donos eram moradores da cidade de Joinville, Santa Catarina, e o proprietário nunca esteve no Rio Grande do Sul, conforme informou a Polícia Civil de Santa Catarina”, sustentam os autores da denúncia.

Jean assevera que “a chave não tem nada a ver com processo” e que “nunca andei nesse carro”. “A única vez que andei num carro desse tipo foi pra me levarem da rodoviária ao Fórum, eu nunca tivesse esse carro”, acrescentou.

O MP determinou a remessa das investigações à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), para que medidas sejam tomadas contra o advogado.

“Chegando uma denúncia ao Tribunal de Ética, imediatamente ele é autuado, distribuído para um relator, isso em menos de um dia para que ele comece a analisar e sugira as medidas a serem adotadas. Geralmente, alguns processos são pautados para julgamento em 30 dias”, explica o presidente da OAB/RS, Leonardo Lamachia.

Quem é Jean Severo

Advogado criminalista com mais de duas décadas de carreira, Jean Severo atuou em júris de repercussão nacional, como os casos Rafael, Kiss e Bernardo.

Em 2022, durante o júri do Caso Rafael, Jean deixou a sessão após a juíza negar perícia em uma prova. O Tribunal de Justiça do RS determinou ao advogado pagamento de multa por abandono de plenário.

Em 2019, Jean Severo discutiu com uma testemunha do Caso Bernardo. A juíza pediu que o advogado se acalmasse e suspendeu o júri por alguns minutos. A sessão chegou a ser suspensa novamente pouco tempo depois, porque algumas testemunhas relataram pressão alta.

Fonte: *G1

Foto: Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul/Divulgação

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque APP

Corpo é localizado na BR-101 com celular e documento de identidade de mulher desaparecida em Torres

Publicado em

em

A carteira de identidade de Tayna da Silva Rosa, 27 anos, e um celular foram encontrados no bolso da calça de um corpo encontrado nas proximidades da BR-101 na manhã desta quinta-feira (22), em Torres, no Litoral Norte. A Polícia Civil afirma que a vestimenta também é parecida com a que Tayna usava quando foi vista pela última vez, em 2 de fevereiro, mas que é necessário exame de DNA para confirmar a sua identidade.

“Embora todos os indícios nos levam a crer ser o corpo e da Tayna, será realizado o DNA do corpo para confirmação” cita trecho de nota divulgada pela Polícia Civil.

Tayná foi vista pela última vez por volta de 8h30min da manhã do dia 2, quando passava em frente a um posto de combustíveis localizado na Vila São João, em Torres. O local fica a cerca de dois quilômetros da casa onde ela vivia com o marido e os filhos há três meses.

A principal hipótese da Polícia Civil para o caso é de suicídio.

Procure ajuda

Caso você esteja enfrentando alguma situação de sofrimento intenso ou pensando em cometer suicídio, pode buscar ajuda para superar este momento de dor. Lembre-se de que o desamparo e a desesperança são condições que podem ser modificadas e que outras pessoas já enfrentaram circunstâncias semelhantes.

Se não estiver confortável em falar sobre o que sente com alguém de seu círculo próximo, o Centro de Valorização da Vida (CVV) presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional e prevenção do suicídio para todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo e anonimato. O CVV (cvv.org.br) conta com mais de 4 mil voluntários e atende mais de 3 milhões de pessoas anualmente. O serviço funciona 24 horas por dia (inclusive aos feriados), pelo telefone 188, e também atende por e-mail, chat e pessoalmente. São mais de 120 postos de atendimento em todo o Brasil (confira os endereços neste link).

Você também pode buscar atendimento na Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua casa, pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), no telefone 192, ou em um dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) do Estado. A lista com os endereços dos CAPS do Rio Grande do Sul está neste link.

Fonte: Gaúcha ZH

Continue lendo

Destaque APP

Manhã de sexta começa com acidente entre três caminhões

Publicado em

em

No início da manhã desta sexta-feira (23), três caminhões se envolveram em um acidente do tipo frontal na ERS-324, entre Casca e Paraí. O sinistro deixou cinco feridos e nenhum óbito, mas um envolvido ficou preso entre as ferragens.

Um dos caminhões transportava rações.

Os Bombeiros atenderam a ocorrência enquanto o Comando Rodoviário de Casca segue no local orientando o trânsito, que se encontra em meia pista.

Planalto News

Continue lendo

Destaque APP

SANTA MARIA | HOMEM É EXECUTADO A TIROS NA REGIÃO OESTE

Publicado em

em

A Brigada Militar (BM) foi acionada via ciosp para atender uma ocorrência de homicídio por disparos de arma de fogo no bairro Nova Santa Marta. Ao chegar na rua dos Pedreiros foi verificado que a vítima, identificada como Alan Rezes Cezar de 45 anos, estava aparentemente em óbito, caído dentro de casa, em uma peça nos fundos.

Foi realizado contato com o filho da vítima, e este relatou que estavam dentro de casa e escutaram alguém chamar, do portão, o irmão dele. Que então a vítima saiu para verificar, conversou com a pessoa, e quando a vítima estava retornando para a casa, ouviram os disparos de arma de fogo, e viu o pai passar correndo para dentro de casa. A testemunha foi até a vizinha para pedir socorro. Foi acionada o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), que compareceu ao local e constatou o óbito, apresentando lesões no ombro, peito, costas e na coxa.

A BM isolou o local e foi acionada o Instituto Geral de Perícias (IGP), que compareceu ao local, bem como comunicada a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP).

Ninguém foi preso e o caso vai ser investigado. Santa Maria registra o 16° homicídio.

Santa Maria News

Continue lendo