Conecte-se conosco

Destaque APP

Autismo: preconceito está ligado à falta de informações

Publicado em

em

Terapias ajudam no convívio social, diz neurologista.

A neurologista pediátrica e neurogeneticista brasileira Isabella Peixoto Barcelos, médica do Hospital Pediátrico da Filadélfia, mais antiga instituição de pediatria dos Estados Unidos, afirma que o preconceito sobre transtornos do espectro autista (TEA) está associado à falta de informações. Neste domingo (2), é lembrado o Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo.

“Muito do preconceito que se tem hoje vem da falta de conhecimento que ainda existe sobre autismo. As pessoas acham que a criança ou o adulto que tem diagnóstico de transtorno de espectro autista tem limitações que, na verdade, eles não têm. E ignoram que eles têm muitas qualidades que não fazem ideia”, afirmou, em entrevista à Agência Brasil.

Isabela destacou que, às vezes, é possível ter um estudante considerado gravíssimo que, muitas vezes, demonstra ser mais inteligente que os demais da sala de aula.

“Não existem todas essas limitações que se pensa a princípio, que a pessoa é incapacitada, não pode ter uma vida emocional, não pode trabalhar. Pelo contrário. O objetivo é tornar essa pessoa o mais funcional possível, que ela se desenvolva o máximo, dentro da potencialidade que ela carrega”, disse.

Segundo a médica, esse desenvolvimento é possível com terapias adequadas. No entanto, adverte que, para chegar a esse nível de formação, terapeutas brasileiros precisam ter uma formação que inclua graduação, mestrado em terapia comportamental com, pelo menos, 1,5 mil horas práticas.

“A terapia certa muda a vida dessas crianças, levando-as a conviver em sociedade”, ponderou. Isabella Peixoto pretende criar um serviço estruturado de autismo, quando retornar ao país.

Comunicação aumentativa e alternativa

Alice Casimiro/Instagram/Divulgaçāo

Alice Casimiro tem 24 anos e mora no Rio de Janeiro. É autista nível 2 de suporte (moderado), TDAH e usuária de comunicação aumentativa. Criadora da página Alice Neurodiversa, é ativista pela neurodiversidade e ‘copywriter’ (especialista em redação publicitária).

Ela diz que escrever na sua página permitiu que obtivesse alguma independência financeira. A jovem faz ainda revisões de textos e, “uma vez ou outra”, procura emprego formal. Embora seja uma pessoa mais calada, Alice Casimiro afirma ter opiniões próprias, desejos e vontades. E usa comunicação aumentativa para complementar o que consegue expressar falando.

De acordo com as especialistas Maria Lúcia Sartoretto e Rita Bersh, autoras do site Assistiva, a comunicação aumentativa e alternativa valoriza a expressão do sujeito, a partir de outros canais de comunicação diferentes da fala, como gestos, sons, expressões faciais e corporais. Eles podem ser utilizados e identificados socialmente para manifestar desejos, necessidades, opiniões, posicionamentos, tais como: sim, não, olá, tchau, banheiro, estou bem, sinto dor, quero (determinada coisa que se aponta), estou com fome e outros conteúdos de comunicação necessários no cotidiano. 

Cultura

O Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro (CCBB RJ), através do seu programa CCBB Educativo, promove aos domingos visitas acessíveis, mediante agendamento, para grupos de pessoas autistas e seus acompanhantes. 

Os encontros ocorrem em horário exclusivo, uma hora antes da abertura da exposição ao público em geral, e reúnem, no máximo, dez pessoas. As visitas são realizadas a partir das 8h. O agendamento pode ser feito pelo telefone (21) 3808-2070 ou pelo ‘e-mail’ [email protected].

Edição: Heloisa Cristaldo

Fonte: Agência Brasil

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agricultura

Homem é preso em flagrante por abigeato em São Pedro do Sul

Publicado em

em

No inicio da madrugada desta terça-feira (5) policiais da Brigada Militar de São Pedro do Sul prenderam um homem em flagrante por crime de abigeato. De acordo com informações obtidas pela reportagem, a BM foi acionada via fone 190 de que havia movimentação suspeita em uma propriedade rural na localidade de Inhamandá, interior do município.

Ao fazer as buscas no campo, a guarnição visualizou entre quatro ou cinco pessoas carregando volumes nas costas. Ao fazer a abordagem, os suspeitos abandonaram os sacos que carregavam e fugiram em direção a cidade. Foi pedido apoio a outra viatura e um dos suspeitos foi preso. Ele foi levado a Delegacia de Polícia, onde foi ouvido e após conduzido ao presídio. Informações detalhadas sobre a ocorrência estaremos divulgando nas próximas horas.

Fonte: Gazeta Hoje

Por : Olho vivo Sta Maria

Continue lendo

Destaque APP

JUSTIÇA GAÚCHA DETERMINA QUE O GOVERNO FEDERAL PAGUE R$ 100 MIL À FAMÍLIA DE UM SOCORRISTA DO SAMU QUE MORREU DE COVID-19

Publicado em

em

O homem trabalhava na região de Palmeira das Missões, no Norte do Estado

A 1ª Vara Federal de Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre, condenou o governo federal ao pagamento de R$ 100 mil à família de um socorrista do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) que morreu em decorrência da Covid-19.

Segundo informações divulgadas na noite de sexta-feira (1º) pela Justiça Federal, a mulher e o filho do homem entraram com uma ação contra a União alegando que o socorrista faleceu aos 45 anos em decorrência da doença. Afirmaram que ele trabalhou como condutor socorrista do Samu na região de Palmeira das Missões, no Norte do Estado, por mais de cinco anos, iniciando em junho de 2014 e mantendo-se na ativa até ser infectado pelo coronavírus, justamente por atuar na linha de frente no combate à doença.

Ao analisar as provas anexadas aos autos, o juiz Bruno Polgati Diehl pontuou que elas atestaram o trabalho realizado pelo homem e as causas da sua morte. Ele observou que a Lei 14.128/2021 definiu que as famílias de profissionais de saúde, falecidos em decorrência da Covid-19, que tenham trabalhado no atendimento direto aos pacientes acometidos por essa doença, têm direito a uma compensação financeira.

O magistrado afirmou que a lei prevê que as famílias dos trabalhadores falecidos possuem o direito de receber R$ 50 mil como compensação, que devem ser divididos igualmente entre cônjuges e dependentes. Em relação ao filho, de acordo com a norma, é devida ainda parcela calculada mediante a multiplicação de R$ 10 mil pelo número de anos inteiros e incompletos que faltavam, na data de óbito do pai, para que ele completasse 21 anos. Diehl concluiu que o rapaz teria direito a R$ 50 mil, tendo em vista que possuía 16 anos na época do óbito.

Em sua defesa, a União sustentou a existência de limites orçamentários, a ausência de desídia de sua parte e o não preenchimento dos pressupostos para a sua responsabilização. Cabe recurso da decisão ao TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

Fonte: Olho Vivo Sta Maria RS

Continue lendo

Destaque APP

Policial civil é preso com drogas e armas em casa no RS; corporação apura o caso

Publicado em

em

Prisão ocorreu durante mandado de busca e apreensão na casa do agente em Porto Alegre. Policial em estágio probatório já havia sido afastado das atividades.

Um policial civil foi preso em flagrante, na sexta-feira (1º), em uma investigação da Polícia Civil contra o tráfico de drogas em Porto Alegre. A informação foi confirmada pela corporação nesta segunda (4). O nome do agente não foi divulgado.

O investigado foi detido durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão em sua residência. No local, a polícia encontrou armas de fogo e porções de drogas. O policial está preso na sede do Grupamento de Operações Especiais da polícia.

De acordo com a corporação, o agente está em estágio probatório. Isso significa que ele cumpre um período de dois anos de observação após a nomeação, para verificar se ele será ou não efetivado no cargo. Ele já havia sido afastado dos serviços policiais a pedido da Corregedoria-Geral da Polícia Civil.

“Esta não é uma notícia que a Polícia Civil gostaria de transmitir. Entretanto, deixamos claro nosso compromisso em servir e proteger a sociedade gaúcha com ética e seriedade”, disse o chefe da corporação, delegado Fernando Sodré, em nota.

Um inquérito da Corregedoria apura o caso. Após a conclusão das investigações, o relatório será encaminhado ao Conselho Superior de Polícia para uma apuração disciplinar.

A Polícia Civil afirma, por meio de um comunicado, que está comprometida a “investigar todas as condutas supostamente inadequadas praticadas pelo agente”.

A corporação diz ainda que “todas as medidas disciplinares e penais serão tomadas contra aqueles que desviarem da conduta esperada pelo Estado e pela sociedade gaúcha”.

Fonte: G1

Continue lendo