Conecte-se conosco

Destaque APP

CASO DA MULHER MORTA EM RITUAL EM CEMITÉRIO, TEVE NOVAS PRISÕES

Publicado em

em

Na noite desta sexta-feira (9), Zilda Correa Bitencourt de 57 anos, morreu no cemitério da localidade Colônia Antão Faria, em Formigueiro. Zilda era da cidade de Restinga Sêca, e foi levada pelo marido e o filho para Formigueiro, onde passaria por um “ritual religioso”, de acordo com os familiares a vítima sofria havia a mais de 20 anos, por duas entidades que incorporavam seu corpo.

A mulher foi recebida em Formigueiro por um casal de irmãos, supostos “pais de santo”, ela chegou de manhã de sexta-feira de Restinga Sêca, e teria passado o dia sendo “atendida” pelos “pais de santos”. De acordo com as investigações Zilda Bitencourt, teria sido levada duas vezes até o cemitério, a primeira vez por volta das 20h, e depois retornado pelas 22h30min, onde ficou até morrer.

De acordo com relatos, ela foi agredida, chutada, espancada e teve a cabeça sendo arremessada contra o solo, várias vezes, antes de ser crucifica, onde ficou até a morte. O filho da vítima disse a Polícia Civil de Formigueiro, que os irmãos “pais de santo”, amarraram a mulher a cruz e disseram que depois de 20 minutos, ela estaria curada, o filho da vítima e o marido então esperaram por este tempo, quando foram ver, Zilda já estava morta.

EVOLUÇÃO: MAIS DOIS FORAM PRESOS

Na madrugada de sábado (10), quando as autoridades policiais foram comunicadas do fato, a Brigada Militar (BM) deslocou em direção ao local da ocorrência, no cemitério da Colônia Antão Faria.

No caminho identificou um veículo que trazia a vítima (já morta) para o Hospital Municipal de Formigueiro, na sequência, a BM apresentou presos quatro indivíduos a polícia Civil de Formiguiero. No dia do fato, foram presos em flagrantes dois dos envolvidos, já outros foram liberados e acabaram indiciados por co-autoria.

Ontem (10) a Justiça determinou a prisão preventiva, e foi preso na casa onde estava morando, no Passo do Maia (interior), já se apresentou na delegacia de polícia de Formigueiro, às 10h dessa manhã, acompanhado de três advogadas.

Depois de rápido depoimento, foi levado para o Presídio Regional de São Sepé, onde ficará a disposição da justiça, juntamente com os outros três presos, sendo dois seus filhos.

Na quarta-feira dia 14 de fevereiro, acontecerá uma audiência em São Sepé.

Foto: Fernando Ramos

Fonte: Formigueiro – Paulo Brito Real

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque APP

PIRAPOENSE CONDENADO A 34 ANOS DE CADEIA

Publicado em

em

Justiça condena a 34 anos de prisão homem acusado de estuprar e assassinar mulher em Caxias do Sul

Naiara Ketlin Pereira Maricá, de 18 anos, foi morta em 2023 após festa de ano-novo por homem que se ofereceu para acompanhá-la até em casa. Condenado está preso.

A Justiça do Rio Grande do Sul condenou a 34 anos de prisão Ricardo Silveira Sebastiany pelo estupro e assassinato de Naiara Ketlin Pereira Maricá, de 18 anos, em Caxias do Sul, na Serra. O caso ocorreu em 1º de janeiro de 2023.

A Defensoria Pública do Estado, responsável pela defesa de Sebastiany, disse que “vai se manifestar apenas nos autos do processo”. A pena deve ser cumprida em regime fechado. O condenado está na Penitenciária Estadual de Bento Gonçalves.

De acordo com o Ministério Público (MP), a investigação policial do caso começou na manhã do dia 1º, quando a mãe de Naiana encontrou ela morta dentro da casa que morava no bairro Esplanada. No corpo, havia ferimentos que sugeriam terem sido causados por faca e também sinais que remetiam a violência sexual.

A Polícia Civil descobriu que Naiara havia saído na noite anterior para festejar o ano-novo com amigos, mas passou mal e decidiu voltar para casa. Sebastiany estava junto com o grupo e se ofereceu para acompanhá-la. Os dois não se conheciam antes.

Imagens de câmeras de segurança ajudaram a polícia a identificar Sebastiany. Nos registros, ele é visto caminhando com Naiara. Essa teria sido a última vez que ela é vista com vida.

Fonte: G1 RS

Continue lendo

Destaque APP

Brigada Militar prende dupla por tráfico de drogas em Veranópolis

Publicado em

em

No fim da tarde da sexta-feira, 1º de março, a Brigada Militar, através da Força Tática, prendeu um homem de 19 e outro 50 anos pelo crime de tráfico de drogas, em Veranópolis.

A prisão aconteceu no bairro Santa Lúcia, onde após uma abordagem a dois veículos, foi localizada 01 porção de cocaína, pesando 55 gramas, 01 balança de precisão, R$ 1.260,00, 02 telefones celulares, restando também dois automóveis Gol apreendidos, os quais eram utilizados para transporte de drogas.

Diante dos fatos, os homens foram encaminhados à Delegacia de Polícia para lavratura do auto de prisão em flagrante, por tráfico de drogas e, posterior, conduzidos ao Presídio Estadual de Nova Prata, onde ficarão a disposição da justiça.

Fonte: Comunicação Social do 3º BPAT

Continue lendo

Destaque APP

Casal acusado pelo MPRS é condenado por estupro de três filhas, em Viamão

Publicado em

em

O Poder Judiciário de Viamão condenou um casal pelo estupro de três filhas. Os crimes ocorreram mediante ameaças desde quando as jovens tinham, pelo menos uma delas, seis anos de idade. Uma delas sofreu abusos ainda antes do ano de 2009.

O pai das vítimas recebeu uma pena de 52 anos de prisão e mãe de 40 anos de reclusão. O cumprimento inicial da pena é em regime fechado.

Acusados pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) em 2017, os réus foram condenados no dia 22 de fevereiro deste ano na 1ª Vara Criminal do município da Região Metropolitana.

De acordo com a promotora de Justiça Bárbara Pinto e Silva, as condenações foram por quatro fatos criminosos envolvendo estupro de vulnerável e estupro qualificado.

Conforme a investigação, o fato só foi descoberto porque uma das jovens fez um desabafo com uma colega. Além dos abusos sexuais cometidos pelo pai delas, a mãe era conivente e ainda ameaçava, pelo menos uma das filhas, sobre o risco do pai ser preso.

A mulher também orientava as jovens a mentirem em depoimentos para as autoridades. Duas delas ainda tiveram de fugir de casa para não sofrerem mais com a violência sexual.

Fonte: Ministério Público do RS

Continue lendo