Conecte-se conosco

Agricultura

Conab prepara proposta de subsídio aos produtores de leite para apresentar ao governo federal

Publicado em

em

Em reunião com entidades da agricultura familiar em Lajeado, no Vale do Taquari, o presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Edegar Pretto, afirmou nesta quinta-feira (28) que a estatal está organizando uma proposta, a pedido do governo federal, para criar um programa nacional de subsídio aos produtores de leite. A iniciativa atende demanda apresentada ao governo por diversas organizações ligadas ao campo.

“O governo federal está sensível à situação dos produtores de leite e a Conab está mobilizada e estudando uma proposta para viabilizar esse programa e a permanência das famílias no campo. Além disso, já estamos com os editais abertos para a compra de leite em pó da agricultura familiar”, destacou.

A Companhia está fazendo um levantamento do preço médio pago aos produtores em anos passados, com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA), da Universidade de São Paulo (USP), e o Conselho Paritário entre Produtores de Leite e Indústrias de Laticínios (Conseleite), para apresentar esse estudo ao governo.

Ainda não está definido qual será o investimento total, nem quantas famílias ou locais serão beneficiados. No entanto, sabe-se que os preços estão baixos no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, pelas questões de mercado. No território gaúcho, de acordo com entidades do setor, os produtores estão recebendo menos de R$ 2,00 pelo litro de leite.

*Compra de leite em pó*

Ainda para amenizar os impactos da crise do leite, que se agravou nos últimos anos pela ausência de políticas de incentivo ao setor e a importação de produtos lácteos de países vizinhos, como a Argentina e o Uruguai, a Conab destinou R$ 100 milhões do seu orçamento para a aquisição de 2,1 mil toneladas de leite em pó da agricultura familiar da região Sul do país. A chamada pública foi aberta no dia 20 de setembro.

A estatal vai comprar, por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), 1,8 mil toneladas de leite em pó do Rio Grande do Sul, 200 toneladas de Santa Catarina e 100 toneladas do Paraná. O alimento será destinado para o atendimento de cozinhas comunitárias e solidárias, a suplementação de cestas de alimentos e demais prioridades estabelecidas pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS).

Foto: Joaquim Moura.

Legenda: Presidente da Conab em reunião com integrantes do governo federal e entidades da agricultura familiar, em Lajeado.

Fonte: Rádio Blau Nunes

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agricultura

Conheça as galinhas gigantes de R$ 5 mil que produzem ovos de R$ 400 a dúzia em SC

Publicado em

em

Galinhas gigantes, que ultrapassam um metro de altura e chegam a pesar até 5 quilos, são produtoras dos ovos comercializados a R$ 400,00 a dúzia em Santa Catarina. As aves são criadas em uma propriedade de Santo Amaro da Imperatriz, na Grande Florianópolis.

Rodrigo Dias é o responsável pela criação da raça índio gigante. Além das galinhas, ele tem galos gigantes na propriedade. Os machos chegam a pesar três quilos a mais que as fêmeas e os animais também são vendidos. O valor individual, segundo Dias, é superior a R$ 5 mil.

A espécie foi criada geneticamente de forma ornamental, ou seja, sem intenção de abate, segundo o pesquisador da Embrapa Aves e Suínos Elsio Figueiredo. Adultos, os animais da raça superam um metro de altura e os machos podem chegar a 1,31m e 8 kg.

De acordo com o criador, a medição das aves é feita da ponta da unha do dedo maior à ponta do bico. O maior que passou pela propriedade, segundo ele, chegou a 1,18 metro e foi vendido em 2023. O preço recebido pelo animal, no entanto, não foi informado por Dias.

Fonte: G1

Continue lendo

Agricultura

3º Batalhão Ambiental da Brigada Militar flagra desmatamentos em Novo Barreiro

Publicado em

em

Após receber alerta da plataforma MapBiomas, a equipe, do 3º Batalhão Ambiental da Brigada Militar (BABM), flagrou, nesta quarta-feira (21/02), áreas de destruição de vegetação nativa, no interior do município de Novo Barreiro.

No primeiro local, os policiais militares, utilizando o GPS (Global Positioning System), identificaram a *intervenção em 7.700 metros quadrados, em uma Floresta Ombrófila Mista (Mata de Araucária), pertencente ao Bioma da Mata Atlântica*. Em análise à vegetação remanescente, identificou-se a destruição de espécies como Canela, Angico, Camboatã e Timbó.

Em outra propriedade, os *policiais militares flagraram a supressão de vegetação nativa, em uma área de 4.100 metros quadrados, também em Floresta Ombrófila Mista (Mata de Araucária), inserida no Bioma da Mata Atlântica*. Foram destruídas árvores como Canela, Angico, Camboatã, Timbó, Aroeira e Açoita-cavalo.

Através do Cadastro Ambiental Rural (CAR) houve a identificação dos proprietários. Como não havia licença ou autorização do órgão ambiental competente para as intervenções nas áreas, fora lavrado os, respectivos, Boletins de Ocorrências Policiais e os responsáveis responderão pelos crimes ambientais.

Comando Ambiental: o Braço Verde da Brigada Militar, por Observador Regional

Continue lendo

Agricultura

Valor da saca de soja não deve retornar ao do ano passado nesta safra

Publicado em

em

O clima, após um breve período de tempo seco, voltou a trazer boas chuvas para as lavouras da região, animando produtores de soja.  A cultivar, que em 2023 teve ótimo valor por saca de 60kg, superando os 150 Reais a saca, amarga queda no preço pago na cotação atual. O último boletim informa que a cotação está em 109 Reais a saca, em Passo Fundo.

Diante de um cenário promissor na produção da soja, o assunto preço foi abordado dentro do programa Cotações e Mercado, no último domingo, na Uirapuru.  A equipe de profissionais avaliou que dificilmente os preços devem subir rapidamente e alcançarem o mesmo do ano passado.

O engenheiro agrônomo Claudio Doro, por exemplo, explicou que, nos últimos dez anos o Brasil aumentou a área de plantio da soja 16%, enquanto o mundo 26%.  Isso trouxe grande oferta, maior do que a necessidade do produto.  Desta forma, com o consumo estático, o preço não sobe. O que resta ao produtor rural da região é conseguir produtividade, aumentar o volume de grãos para ganhar no acumulado, pois preço alto não deverá ocorrer.  A única forma de isso ocorrer demandaria uma situação inesperada em grandes produtores mundiais, como o mercado americano.

Fonte:Rádio Uirapuru

Continue lendo