Conecte-se conosco

Destaque APP

Família descobre que filha foi trocada na maternidade 42 anos após parto em SC; pai sofreu AVC e morreu ao saber

Publicado em

em

Uma família será indenizada em R$ 300 mil após descobrir, 42 anos após o parto, que a filha foi trocada na maternidade, em Joinville, no Norte de Santa Catarina. Segundo o Tribunal de Justiça de Santa Catarina, o pai teve um AVC ao saber do erro e morreu.

Conforme o TJSC, que divulgou o caso na sexta-feira (8), a troca de bebês ocorreu na maternidade pública Darcy Vargas, em 1975, mas a família só descobriu em 2017.

O g1 SC procurou a Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina (SES), na segunda-feira (11), mas não teve retorno até a última atualização do texto.

Em 2017, a mãe foi procurada por uma mulher que descobriu, em teste de DNA, não ser filha biológica de quem achava que era sua genitora. Ela estava à procura de outros nascimentos registrados no mesmo dia e local.

Em janeiro de 2018, mãe e filha fizeram o exame, que constatou o mesmo resultado. As meninas nasceram com 10 minutos de diferença.

O advogado João Fabio Silva da Fontoura atuou com as duas famílias e conta que ambas desconfiaram, em momentos da vida, de erros da equipe do hospital, mas não sabiam os caminhos para chegar a respostas efetivas.

“Até que um momento, por um golpe do destino, a outra família começou a trabalhar na casa de um advogado, que o orientou a fazer o teste”, comentou.

Apesar da confirmação de erro no hospital, segundo ele, os laços afetivos construídos durante a vida não mudaram.

O advogado analisa que a indenização “compreendeu que, para a família, foi uma situação de ruptura”.

Decisão
Segundo a decisão, a falha estatal “repercutiu seriamente ao menos em duas famílias”. As consequências são daquelas inimagináveis. Não existe, a partir daí, qualquer valor que se aproxime de uma compensação minimamente próxima dos danos suportados pelo autor”.

A indenização de R$ 150 mil para cada uma considerou também a “dor extrema sentida com a tomada de consciência a respeito dos fatos”.

A 1ª instância havia fixado indenização de R$ 90 mil (R$ 45 mil para cada uma), mas mãe e filha, em busca de aumento no valor, e o Estado, por querer diminuí-lo, entraram com recurso no TJSC. Somente o pleito das mulheres foi aceito.

Foto: Maternidade Darcy Vargas – Secom/ Divulgação

Fonte: G1

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque APP

Identificado homem morto a tiros no Zatt, em Bento Gonçalves

Publicado em

em

Foi identificado como Rodrigo de Freitas, 34 anos, o homem morto a tiros na noite da quinta-feira, 29, por volta das 21h, na rua João Domingos Polli, bairro Zatt, em Bento Gonçalves.

Segundo informações colhidas no local, criminosos chegaram no local, arrombaram a porta da residência que fica na parte de baixo do imóvel onde se encontrava a vítima de homicídio e sendo alvejada por diversos disparos de arma de fogo.

Foi acionada a equipe de socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), sendo atestado o óbito da vítima. A Brigada Militar isolou a cena do crime até chegada de agentes da 1ª Delegacia de Polícia (1ªDP), dando início ao processo de investigação. Freitas era natural de Guaporé.

Bento Gonçalves registra o 7º crime violento contra a vida no ano de 2024, em Bento Gonçalves.

Fonte: Rádio Difusora

Foto: Unidade Móvel da Rádio Difusora

Continue lendo

Destaque APP

Em 2023, 87 mulheres foram vítimas de feminicídio no RS; 75% foram assassinadas dentro de casa

Publicado em

em

Das 87 mulheres vítimas de feminicídio no Rio Grande do Sul em 2023, 75% foram assassinadas dentro de casa. E em mais de 80% dos casos, o autor do crime era atual ou ex-companheiro dela.

Os dados foram divulgados quinta-feira (29) no Mapa de Feminicídio de 2023. O compilado é feito pelo Observatório de Violência Doméstica da Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP-RS), e analisado pela Divisão de Proteção e Atendimento à Mulher (Dipam) da Polícia Civil, comandado pela diretora, delegada Cristiane Ramos.

Ao menos sete mulheres foram mortas por mês em casos de feminicídio no Rio Grande do Sul em 2023. Foram 87 assassinatos de mulheres por causa do gênero ao longo do ano passado, registrados em 62 municípios gaúchos.

Caxias do Sul foi a cidade que mais registrou este tipo de crime no ano passado. Foram seis casos. Depois, vêm Pelotas, com quatro, e Erechim, Porto Alegre e Vacaria, com três registros cada. Outras localidades contabilizaram dois casos, como Cachoeirinha, Torres, Garibaldi, Santa Rosa, Encruzilhada do Sul, Rio Grande e Bagé.

A região da Serra foi a que mais contabilizou feminicídios em 2023, com 14 episódios, seguida pela área chamada na pesquisa de Metropolitano Delta do Jacuí (que abrange Porto Alegre, Alvorada, Cachoeirinha, Gravataí e Viamão, entre outros), com nove, e Nordeste e Sul, ambas com oito.

Em casa, pelo companheiro

Para forças de segurança do Estado, o combate aos feminicídios é considerado um desafio. Um dos motivos é o fato de que a violência que leva às mortes vai escalando dentro dos lares, de forma silenciosa na maioria das vezes.

Os números do mapa explicam a preocupação: das 87 vítimas, 75% foram mortas dentro de casa. Em sete dos casos, o assassinato foi praticado na presença de crianças ou adolescentes. Em três episódios, os agressores também cometeram homicídio contra os novos companheiros das mulheres.

Em 86% dos casos, o autor foi o atual ou ex-companheiro da mulher. Apenas em 6% das mortes o autor tinha algum parentesco com a vítima, e somente em quatro elas foram mortas por desconhecidos.

Em 2023, 72% dos agressores foram presos no Estado. Outros 9% cometeram suicídio. Foram remetidos ao Poder Judiciário 78% dos inquéritos policiais abertos pela Polícia Civil.

Idades

A maior parte das mulheres assassinadas em contexto de gênero no RS em 2023 – 65,5% – tinha entre 18 e 39 anos. Quase um quarto (24%) tinha menos de 24 anos. A vítima mais jovem foi morta aos 16 anos, e as duas mais idosas tinham 80.

Das 87 vítimas, 64 eram mães e 32 tinham filhos com o próprio autor do feminicídio.

O feminicídio é todo homicídio praticado contra a mulher por razões da condição do gênero feminino e em decorrência da violência doméstica e familiar, ou por menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

Boletim de ocorrência

Conforme a Polícia Civil, das 87 vítimas, 57,5% não tinham registrado ocorrência policial contra o autor do crime anteriormente. Do total de mulheres, 82% não tinha medida protetiva vigente na data do crime – a mais comum é a medida judicial que determina que o agressor se mantenha afastado da mulher.

Foto: André Ávila / Agencia RBS

Fonte: GZH

Continue lendo

Destaque APP

Caxias do Sul registra 15 homicídios em fevereiro

Publicado em

em

O caso mais recente ocorreu por volta das 17h desta quinta-feira (29), na rua Alexandrina Baratieri, no bairro Charqueadas. Conforme a Brigada Militar, os policiais foram acionados para atendimento de ocorrência de disparos de arma de fogo.

Testemunhas informaram que teria ocorrido uma briga, no local. Um homem de 28 anos com antecedentes por roubo de veículo, posse irregular de arma de fogo, roubo a pedestre e receptação foi morto, atingido por disparo de arma de fogo.

O suspeito da autoria do crime, de 45 anos,  ficou ferido no braço por arma branca . Ele foi encaminhado ao Hospital Pompéia, onde segue em custódia. Outro homem também envolvido no fato, se apresentou à Polícia Civil. Ainda de acordo com testemunhas, o crime foi de origem passional e não  tem relação com nenhuma organização criminosa.

Com este crime, Caxias registrou 15 homicídios em 29 dias de fevereiro. Uma média de quase duas mortes violentas por dia, no município.

Fonte:FM Caxias

Continue lendo