Conecte-se conosco

Destaque APP

Fenômeno El Niño está de volta; entenda os efeitos para o Rio Grande do Sul

Publicado em

em

O Centro de Previsão Climática da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos confirmou que o fenômeno climático conhecido como El Niño está de volta.

Após três anos do padrão climático La Niña, que geralmente reduz um pouco as temperaturas globais, o El Niño retornou oficialmente e é provável que produza condições climáticas extremas no fim deste ano.

O El Niño se origina no Oceano Pacífico ao longo da Linha do Equador e afeta o clima em todo o mundo. A água quente normalmente está confinada no Pacífico ocidental pelos ventos que sopram de leste a oeste, em direção à Indonésia e à Austrália. No entanto, durante o El Niño, os ventos diminuem e podem até inverter a direção, permitindo que a água mais quente se espalhe para o leste, chegando até a América do Sul.

Os cientistas ainda estão procurando uma resposta sobre por que isso acontece, mas a desaceleração desses ventos pode durar semanas ou até meses.

Entre muitos padrões climáticos de grande escala que atuam em conjunto para influenciar o clima global, o El Niño pode ocorrer a cada dois a sete anos, em intensidade variável. Durante o fenômeno, as águas do Pacífico oriental podem ser até 4°C mais quentes do que o habitual.

Quais os efeitos para o Brasil?

A formação do El Niño pode aumentar as temperaturas e provocar estiagem em partes das regiões Norte e Nordeste do Brasil, segundo pesquisadores do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Já no outro extremo, em algumas partes da região Sul, o fenômeno deve causar excesso de chuvas.

De acordo com a Climatempo, em junho, o Oceano Pacífico equatorial deverá estar com temperaturas acima da média em toda a faixa, principalmente próximo da América do Sul.

“O El Niño deverá se instalar, de fato, a partir de julho, e sua influência será notada a partir de agosto, com o aumento das chuvas na Região Sul, diminuição no Extremo Norte e elevação das temperaturas, que tendem a ficar acima da média na metade da Região Norte do País a partir de julho. Estima-se que seja um El Niño de intensidade moderada nesse período”, acrescentou a Climatempo.

Durante o outono, é comum observar o avanço da Alta Subtropical do Atlântico Sul pelo Sudeste, que favorece períodos mais secos entre as áreas centrais e parte do Sudeste do País, típicas da estação. Há ainda a formação de frentes frias e de instabilidades mais para o Sul do Brasil, Mato Grosso do Sul, Centro-Oeste e São Paulo.

Ainda segundo a Climatempo, o El Niño costeiro deve impactar no aumento de chuvas em parte do Sul do Brasil.

Rio Grande do Sul

O El Niño deve trazer chuvas abundantes para o RS nos próximos meses. O inverno deste ano terá precipitações elevadas e será menos rigoroso em relação às temperaturas em todo o Estado, segundo o Boletim do Clima elaborado pelo Simagro (Sistema de Monitoramento e Alertas Agroclimáticos) da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação.

“Nos próximos meses, a efetivação do evento El Niño favorecerá a ocorrência de precipitação regulares, com altos volumes acumulados ao longo do segundo semestre”, avaliou o coordenador do Simagro, meteorologista Flávio Varone.

A ocorrência do El Niño, com chuvas abundantes, poderá prejudicar o desenvolvimento da safra de inverno, especialmente no fim do ciclo e durante a colheita, além de possivelmente atrasar o início da safra de verão no Estado.

O El Niño poderá prejudicar o desenvolvimento da safra de inverno e atrasar o início da safra de verão no Estado.

Foto: Fernando Dias/Seapi

Fonte: RD Foco

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agricultura

Declaração Anual de Rebanho começa nesta segunda-feira no Estado

Publicado em

em

Começa nesta segunda-feira e prossegue até 14 de junho o período para os pecuaristas fazerem a Declaração Anual de Rebanho referente ao ano de 2024. A Declaração de Rebanho é uma obrigação sanitária de todos os produtores rurais gaúchos detentores de animais.

“Além do atendimento à legislação vigente, os dados nos dão embasamento para que tenhamos uma radiografia da distribuição das populações animais, das faixas etárias”, detalha a diretora do Departamento de Vigilância e Defesa Sanitária Animal da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (DDA/Seapi), Rosane Collares. Segundo ela, com os dados é possível ser mais assertivo nas políticas públicas de saúde animal.

Desde o ano passado, a declaração pode ser feita diretamente pela internet, em módulo específico dentro do Produtor Online. Caso prefira, o produtor também pode fazer o preenchimento nos formulários em PDF ou presencialmente nas Inspetorias ou Escritórios de Defesa Agropecuária, com auxílio dos servidores da Seapi e assinando digitalmente com sua senha do Produtor Online.

A Declaração Anual de Rebanho conta com um formulário de identificação do produtor e características gerais da propriedade. Formulários específicos devem ser preenchidos para cada tipo de espécie animal que seja criada no estabelecimento, como equinos, suínos, bovinos, aves, peixes, abelhas, entre outros.

No formulário de caracterização da propriedade, há campos como situação fundiária, atividade principal desenvolvida na propriedade e somatória das áreas totais, em hectares, com explorações pecuárias. Já os formulários específicos sobre os animais têm questões sobre finalidade da criação, tipo de exploração, classificação da propriedade, tipo de manejo, entre outros.

Em 2023, a declaração teve adesão de 84,19%, índice que se manteve condizente com a média de declarações de rebanho entregues nos anos anteriores.

Fonte: Correio do Povo

Foto: Fernando Dias/Seapi/Divulgação

MB Notícias

Continue lendo

Destaque APP

Polícia investiga homicídio ocorrido em Barra do Guarita no final de semana

Publicado em

em

Um homem foi morto a tiros na cidade de Barra do Guarita, na noite do último sábado (13). O crime aconteceu por volta das 22 horas.

Conforme o delegado da Polícia Civil, Roberto Fagundes Audino, informações preliminares obtidas pela polícia dão conta de que homens teriam passado pela rua e efetuado pelo menos seis disparos contra a vítima, que estava no interior de sua residência.

A vítima, de 52 anos de idade, foi atingida e não resistiu aos ferimentos, vindo a óbito. O delegado Audino informa que a polícia já iniciou o trabalho de investigação para apurar a autoria e as motivações do crime, e diligências devem acontecer nesta manhã de segunda-feira (15).

Fonte: Rádio Alto Uruguai

Foto: MB Notícias

Continue lendo

Destaque APP

Entre Chapecó e Maravilha: Motorista ultrapassa viatura da PRF e acaba com o veículo guinchado

Publicado em

em

Carro ainda levava duas crianças, de quatro e sete anos, sem cadeirinha e dispositivo de retenção adequado.

Um fato chamou a atenção dos Policiais Rodoviários Federais na manhã deste domingo (14) na BR-282 bem próximo ao município de Pinhalzinho, no Oeste de Santa Catarina. Durante ronda, entre os trechos de Chapecó e Maravilha, um veículo Peugeot ultrapassou a viatura e nesse momento foi observado pelos policiais que os dois ocupantes da frente do veículo não faziam uso do cinto de segurança. 

“Realizada a abordagem, verificou-se também, que vinham no banco de trás duas crianças menores de 04 e 07 anos.

Elas estavam sem cadeirinha e dispositivo de retenção adequado previsto na lei. Instado a fazer uso do cinto, o condutor, que viajava de Pinhalzinho para Maravilha, informou que o dispositivo estava travado, restando, portanto, inoperante. Em razão do comprometimento da segurança e da impossibilidade de regularização do item defeituoso no local da infração, o veículo foi removido ao pátio do guincho conveniado”, detalhou a PRF.

Segundo a PRF, o condutor foi autuado por:

deixar de usar cinto de segurança.

– ausência de dispositivo de retenção adequado aos menores, e;

– equipamento obrigatório inoperante.

Fonte:Clic RDC

Continue lendo