Conecte-se conosco

Destaque APP

Justiça determina prisão de mulher condenada por morte de metalúrgico em Caxias

Publicado em

em

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul manteve a condenação de Roseli de Fátima Pedroso, 43 anos, e de Cleverson Alves de Moura, 31. Eles foram responsabilizados pelo assassinato do metalúrgico Ivanildo José Araldi, 43, em 2014, em Caxias do Sul. O júri do caso ocorreu no dia 23 de junho de 2021. Na ocasião, os réus foram sentenciados por homicídio qualificado por motivo torpe, recurso que dificultou a defesa da vítima e ocultação de cadáver.  Tanto as defesas da dupla quanto a acusação apelaram da decisão. Contudo, em fevereiro deste ano, o desembargador Sylvio Baptista Neto, da 1ª Câmara Criminal, manteve a pena de Roseli em 17 anos e quatro meses de reclusão. Moura, réu confesso do crime e que foi sentenciado a 16 anos e três meses de prisão, também não teve alteração na decisão inicial.

Como o caso transitou em julgado, a Justiça determinou recentemente a prisão de Roseli — até a publicação desta reportagem, ela seguia em liberdade. Já Moura, após o júri, continuou recolhido em prisão preventiva na Penitenciária Estadual do Jacuí.

O advogado de Roseli, Elias Rafael Coutinho de Freitas, informou à reportagem que irá apelar ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o Supremo Tribunal Federal (STF), através de revisão criminal, além do pedido liminar para que se suspenda a execução do mandado de prisão.

Sobre a situação de Moura, a Defensoria Pública informa que irá se manifestar apenas nos autos do processo.
Relembre o caso
Crime de grande repercussão à época, o metalúrgico Araldi desapareceu no início da noite de 11 de dezembro de 2014, quando foi abordado na porta de casa por dois homens armados no loteamento Paiquerê, na região do bairro São Victor Cohab. Inicialmente, o caso aparentava ser um assalto. O veículo da vítima, uma EcoSport, foi depenado e abandonado em São Leopoldo. O corpo de Araldi foi encontrado por um agricultor no dia 3 de janeiro, na zona rural de Caxias do Sul.

Segundo a denúncia do Ministério Público (MP), no dia do crime, Roseli buscou a filha na escola, o que geralmente era feito pelo marido. Araldi, então, estaria sozinho no momento do ataque. Moura e outros dois comparsas, que não foram identificados na investigação, prepararam a emboscada na frente da casa da vítima. Araldi foi rendido com uso de arma de fogo, colocado no banco de trás do carro e levado até a estrada velha para Flores da Cunha. A vítima foi obrigada a desembarcar em uma área de densa vegetação e foi morto com um tiro na nuca.

Moura foi preso no dia 5 de janeiro de 2015, no bairro Parque Oásis, após a Brigada Militar receber uma denúncia anônima. Na noite daquele mesmo dia, Roseli foi presa temporariamente pela Polícia Civil como suspeita de ser a mandante da morte do marido.

Sobre a motivação do assassinato, a denúncia aponta que Roseli desejava terminar a relação, por isso, planejou o homicídio. Moura aceitou executar o assassinato e, como pagamento, ficaria com o automóvel da vítima. Durante interrogatório, Moura confessou o homicídio.

Ele relatou que conheceu Roseli dias antes dos fatos e alegou que o crime foi por amor. Também disse que ficou com o carro da vítima e o vendeu em São Leopoldo. Roseli, por sua vez, permaneceu em silêncio durante o interrogatório.

Fonte:Observador Regional

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cultura

Secretaria da Educação disponibiliza capacitação e acesso à plataforma Canva para professores da Rede Estadual

Publicado em

em

Para contribuir com a inovação em sala de aula e propor práticas pedagógicas diferenciadas a partir de ilustrações e artes gráficas para os estudantes da Rede Estadual, a Secretaria da Educação (Seduc) disponibilizou para os professores, por meio do domínio @educar (diretamente no Site do Portal Educação), um curso de capacitação com quatro aulas e acesso à versão educacional do Canva.

Link para acessar o Portal Educação

As aulas tem duração entre 30 e 40 minutos e possui tópicos como: Conhecendo o Canva for Education; Criação de Design; Explorando os templates; e Formas de Utilizar o Canva for Education. Cada aula possui uma apresentação de slides e um vídeo explicativo com professores.

A iniciativa visa incrementar o uso pedagógico de novas ferramentas tecnológicas e, ao mesmo tempo, qualificar os docentes que já pertencem à rede e os novos, com a utilização de métodos inovadores, criativos e que chamem a atenção do aluno para as atividades em sala de aula.

Canva

O Canva é uma plataforma de design gráfico que permite aos usuários criar gráficos de mídia social, apresentações, infográficos, pôsteres e outros conteúdos visuais. Está disponível online e em dispositivos móveis e integra milhões de imagens, fontes, modelos e ilustrações. Os usuários podem escolher entre muitos modelos projetados por profissionais, editar os designs e fazer upload de suas próprias fotos através de uma interface inovadora.

Continue lendo

Destaque APP

Mãe e filha venezuelanas são encontradas mortas debaixo da cama

Publicado em

em

Duas mulheres, mãe e filha, foram encontradas mortas debaixo da cama, em casa, no bairro Petrópolis, em Joinville, na noite desta segunda-feira (4). As vítimas, ambas venezuelanas, tinham 43 e 59 anos e foram localizadas enroladas em um cobertor. O caso está sendo investigado como feminicídio.

De acordo com informações da Polícia Militar, a ocorrência foi registrada por volta das 19h45 na rua Salvador Gomes de Oliveira. O principal suspeito do crime é um homem de 46 anos, também venezuelano e companheiro de uma das vítimas. 

Ele foi visto saindo do local pouco tempo antes das vítimas serem encontradas e ainda não foi localizado pela polícia.A motivação do crime ainda é desconhecida, e as identidades das vítimas não foram divulgadas pelas autoridades. A polícia continua as investigações para esclarecer as circunstâncias do ocorrido e capturar o suspeito.

Fonte: Jornal Razão

Continue lendo

Destaque APP

Pesquisa mostra que diferença salarial entre mulheres e homens caiu

Publicado em

em

Nos últimos 10 anos, houve uma redução na diferença entre salários pagos às mulheres e aos homens. O índice que mede a paridade salarial passou de 72 em 2013 para 78,7, em 2023. A paridade de gênero é medida em uma escala de 0 a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, maior a equidade entre mulheres e homens.

Os dados estão no levantamento Mulheres no Mercado de Trabalho, realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) a partir de microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADc) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As informações serão apresentadas nesta terça-feira (5), durante a primeira reunião de 2024 do Fórum Nacional da Mulher Empresária da CNI.

O estudo também revelou que a participação feminina em cargos de liderança passou de 35,7% em 2013 para 39,1% em 2023. O índice de empregabilidade das mulheres apresentou evolução entre 2013 e 2023, passando de 62,6 para 66,6, respectivamente, crescimento de 6,4%.

Os resultados do levantamento indicaram que as mulheres têm mais escolaridade que os homens: enquanto elas têm, em média, 12 anos de estudo; os homens têm 10,7 anos.

O tempo dedicado à chamada jornada de trabalho reprodutiva, ou seja, aquela que envolve as atividades domésticas e de cuidados com familiares, também é maior entre as mulheres. No caso das pessoas empregadas, esse tempo foi de 17,8 horas semanais para mulheres e de 11 horas para homens em 2022. Entre os desocupados – desempregados e pessoas em busca de emprego –, a diferença é ainda maior: as mulheres exercem 24,5 horas semanais de trabalho e os homens, 13,4 horas.

Para o presidente da CNI, Ricardo Alban, apesar da redução das diferenças entre gêneros da última década, é preciso continuar avançando e rápido.

Legislação

Em julho do ano passado, o governo federal sancionou uma lei que garante igualdade salarial entre homens e mulheres e estabelece medidas para tornar os salários mais justos, aumentando a fiscalização contra a discriminação e facilitando os processos legais para garantir igualdade salarial.

Com a nova lei, empresas com 100 ou mais funcionários devem fornecer relatórios semestrais transparentes sobre salários e critérios de remuneração. Esses relatórios devem conter informações que permitam comparar salários e remunerações entre homens e mulheres de forma objetiva.

Caso haja alguma irregularidade, serão aplicadas punições administrativas e os processos legais para corrigir a desigualdade devem ser facilitados.

Também foram instituídos canais para denunciar o descumprimento da igualdade salarial por parte de empresas e entidades em geral. As pessoas podem encaminhar os casos por meio de um portal do Ministério do Trabalho ou pelo telefone: Disque 100, Disque 180 ou Disque 158.

Edição: Denise Griesinger

Foto: Marcelo Camargo

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo