Conecte-se conosco

Destaque APP

Jovem vira advogado e consegue condenação na Justiça por erro médico que provocou morte da mãe

Publicado em

em

Há mais de 20 anos, nos corredores do Fórum de Votorantim (SP), Selwin Paulo Pessôa não imaginava que representaria um processo em reparação a uma tragédia familiar. Hoje, aos 32 anos, ele conseguiu na Justiça uma indenização pela morte da mãe, provocada por um erro médico.

Filho de advogados, Selwin também seguiu carreira na profissão e assumiu a administração do escritório da família, assim como as alegações finais do processo de danos morais iniciado pelo pai dele, sobre a morte de Selma Aparecida de Moraes Pessôa.

Tudo ocorreu em 25 de junho de 2005. Selma morreu aos 44 anos, vítima de um erro médico na Unidade de Pronto Atendimento de Votorantim, no Centro.

Ao g1, Selwin relembrou a história de Selma, os momentos em que a acompanhava no trabalho quando criança e também o que a família enfrentou após a morte dela.

Conforme o processo, Selma havia passado por uma cirurgia de celulite na perna. Depois de oito dias do procedimento, ela sentiu fortes dores no abdômen e foi levada para a UPA, onde o médico que a atendeu disse que eram “gases intestinais”.

Selma foi liberada, mas precisou voltar depois de três dias, quando as mesmas dores reapareceram. Por meio de um exame de sangue, foi descoberto que ela estava com septicemia, uma doença causada por infecção.

Mesmo após o exame, Selma foi deixada na sala de observação, aguardando internação, tempo que durou 26 horas. Apenas após o longo período de espera, ela foi levada para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas não resistiu e morreu.

“Hoje, que sou advogado e defendo médicos, a gente entende que tem situações que realmente não há o que o médico faça, mas você pega o laudo de um órgão público, com toda a presunção de veracidade, com todo o respeito que tem, e ver que sua mãe morreu por falha humana, é realmente chocante”, relata Selwin.

Em novembro de 2022, a Justiça condenou a Prefeitura de Votorantim a pagar uma indenização por danos morais sobre o caso de Selma, de mais de R$ 1 milhão. O valor será dividido entre os cinco irmãos.

Selwin afirmou que aguarda o trânsito em julgado da decisão para que seja requisitada a ordem de precatório. Desta forma, o pagamento levará de três a quatro anos para ser feito.

A prefeitura informou, em nota, que ainda não realizou o pagamento da indenização porque não recebeu a ordem de precatório e, quando recebê-la, irá incluí-la no orçamento municipal, seguindo a ordem cronológica de pagamentos.

Advogada desde 1991

Quando Selma ainda estudava para se tornar advogada, ela estava grávida de Selwin e se formou logo depois que deu à luz, em 1991. O pai dele também estudava direito e era estagiário.

Uma das lembranças que marcaram a infância de Selwin é de quando ela o levava ao Fórum de Votorantim. Depois, na adolescência, o jovem ajudava a mãe a digitar processos e foi criando familiaridade com a área.

“Já era meu sonho ser advogado, sempre foi. Aí eu entrei na faculdade de direito e me formei. Fiz alguns cursos de especialização, estou terminando um mestrado no México. Me formei e, a pedido do meu pai, eu assumi o processo e estou tocando.”

Dos cinco irmãos, uma nasceu com deficiência intelectual e mora com Selwin. Ele assumiu os cuidados dela, pelo fato de os dois terem bastante afinidade.

Segundo Selwin, o objetivo da família em divulgar a história é evidenciar que casos como esse podem responsabilizar a equipe de atendimento.

“Foi terrível. Acredito que a mãe seja sempre a cabeça da família e para a gente foi muito difícil. Lembro até hoje. É uma experiência que eu não recomendo para ninguém porque é muito doloroso perder a mãe. Não há dinheiro que pague a vida de uma mãe.”

“Eu pretendo entrar com uma ação civil pública contra a prefeitura para que ela entre com uma ação de regresso contra a equipe médica que atendeu minha mãe. Não acho correto que os contribuintes paguem por isso.”

Fonte: Observador Regional

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque APP

PIRAPOENSE CONDENADO A 34 ANOS DE CADEIA

Publicado em

em

Justiça condena a 34 anos de prisão homem acusado de estuprar e assassinar mulher em Caxias do Sul

Naiara Ketlin Pereira Maricá, de 18 anos, foi morta em 2023 após festa de ano-novo por homem que se ofereceu para acompanhá-la até em casa. Condenado está preso.

A Justiça do Rio Grande do Sul condenou a 34 anos de prisão Ricardo Silveira Sebastiany pelo estupro e assassinato de Naiara Ketlin Pereira Maricá, de 18 anos, em Caxias do Sul, na Serra. O caso ocorreu em 1º de janeiro de 2023.

A Defensoria Pública do Estado, responsável pela defesa de Sebastiany, disse que “vai se manifestar apenas nos autos do processo”. A pena deve ser cumprida em regime fechado. O condenado está na Penitenciária Estadual de Bento Gonçalves.

De acordo com o Ministério Público (MP), a investigação policial do caso começou na manhã do dia 1º, quando a mãe de Naiana encontrou ela morta dentro da casa que morava no bairro Esplanada. No corpo, havia ferimentos que sugeriam terem sido causados por faca e também sinais que remetiam a violência sexual.

A Polícia Civil descobriu que Naiara havia saído na noite anterior para festejar o ano-novo com amigos, mas passou mal e decidiu voltar para casa. Sebastiany estava junto com o grupo e se ofereceu para acompanhá-la. Os dois não se conheciam antes.

Imagens de câmeras de segurança ajudaram a polícia a identificar Sebastiany. Nos registros, ele é visto caminhando com Naiara. Essa teria sido a última vez que ela é vista com vida.

Fonte: G1 RS

Continue lendo

Destaque APP

Brigada Militar prende dupla por tráfico de drogas em Veranópolis

Publicado em

em

No fim da tarde da sexta-feira, 1º de março, a Brigada Militar, através da Força Tática, prendeu um homem de 19 e outro 50 anos pelo crime de tráfico de drogas, em Veranópolis.

A prisão aconteceu no bairro Santa Lúcia, onde após uma abordagem a dois veículos, foi localizada 01 porção de cocaína, pesando 55 gramas, 01 balança de precisão, R$ 1.260,00, 02 telefones celulares, restando também dois automóveis Gol apreendidos, os quais eram utilizados para transporte de drogas.

Diante dos fatos, os homens foram encaminhados à Delegacia de Polícia para lavratura do auto de prisão em flagrante, por tráfico de drogas e, posterior, conduzidos ao Presídio Estadual de Nova Prata, onde ficarão a disposição da justiça.

Fonte: Comunicação Social do 3º BPAT

Continue lendo

Destaque APP

Casal acusado pelo MPRS é condenado por estupro de três filhas, em Viamão

Publicado em

em

O Poder Judiciário de Viamão condenou um casal pelo estupro de três filhas. Os crimes ocorreram mediante ameaças desde quando as jovens tinham, pelo menos uma delas, seis anos de idade. Uma delas sofreu abusos ainda antes do ano de 2009.

O pai das vítimas recebeu uma pena de 52 anos de prisão e mãe de 40 anos de reclusão. O cumprimento inicial da pena é em regime fechado.

Acusados pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) em 2017, os réus foram condenados no dia 22 de fevereiro deste ano na 1ª Vara Criminal do município da Região Metropolitana.

De acordo com a promotora de Justiça Bárbara Pinto e Silva, as condenações foram por quatro fatos criminosos envolvendo estupro de vulnerável e estupro qualificado.

Conforme a investigação, o fato só foi descoberto porque uma das jovens fez um desabafo com uma colega. Além dos abusos sexuais cometidos pelo pai delas, a mãe era conivente e ainda ameaçava, pelo menos uma das filhas, sobre o risco do pai ser preso.

A mulher também orientava as jovens a mentirem em depoimentos para as autoridades. Duas delas ainda tiveram de fugir de casa para não sofrerem mais com a violência sexual.

Fonte: Ministério Público do RS

Continue lendo