Conecte-se conosco

Destaque APP

Justiça aceita denúncia e três PMs se tornam réus pelo homicídio de jovem que desapareceu após abordagem da BM

Publicado em

em

Gabriel Marques Cavalheiro, 18 anos, foi encontrado morto dentro de açude uma semana após sumir.

A Justiça aceitou a denúncia oferecida pelo Ministério Público (MP) e os três PMs suspeitos do assassinato de Gabriel Marques Cavalheiro, 18 anos, tornaram-se réus pelo crime de homicídio.  O jovem, que desapareceu após uma abordagem da Brigada Militar, teve o corpo encontrado dentro de um açude no dia 19 de agosto, uma semana após desaparecer. 

A denúncia foi aceita nesta terça-feira (6) pela juíza Juliana Neves Capiotti, da Vara Criminal de São Gabriel. O segundo-sargento Arleu Júnior Cardoso Jacobsen e os soldados Cléber Renato Ramos de Lima e Raul Veras Pedroso seguem detidos preventivamente no Presídio Militar de Porto Alegre.

No despacho, a juíza afirma que “há elementos que dão suporte probatório apto a justificar a persecução penal”. Ou seja, que há indícios suficientes neste momento para que os PMs respondam ao processo pelo crime de homicídio.

A denúncia foi detalhada na segunda-feira (5) pela promotora Lisiane Veríssimo da Fonseca, que atua em São Gabriel. Os três PMs responderão pelo homicídio triplamente qualificado, por motivo fútil, emprego de meio cruel e uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Esse processo corre na Justiça Comum. 

No entendimento da acusação, Gabriel foi espancado durante a abordagem porque teria se dirigido a um dos PMs chamando-o de “fraco” e porque o jovem estava embriagado. 

Crimes militares

Além do homicídio, os PMs já tinham se tornado réus, ainda nesta segunda-feira, pelos crimes militares. A Justiça Militar aceitou a denúncia contra os três por ocultação de cadáver e falsidade ideológica — este último porque, segundo a acusação, os policiais teriam inserido informações falsas no boletim de ocorrência. 

Em relação à ocultação de cadáver, o MP confirmou nesta segunda-feira que não é descartada a hipótese de que outras pessoas possam responder por esse crime. Ainda são aguardadas perícias, como análise de amostras de sangue encontradas em duas viaturas. Até o momento, não foi detalhado como e em qual momento o corpo de Gabriel foi deixado no açude. A perícia constatou que ele não estava mais respirando quando seu corpo ficou submerso, já que não foi encontrado nenhum sinal de afogamento. 

O desaparecimento

Gabriel desapareceu na madrugada de 13 de agosto, quando foi visto pela última vez sendo colocado dentro de uma viatura da BM. Ele havia sido abordado pouco antes no bairro Independência, em São Gabriel.

O corpo do jovem foi encontrado dias depois, dentro de um açude na localidade de Lava Pé, a cerca de dois quilômetros do local da abordagem. O laudo de necropsia do Instituto-Geral de Perícias (IGP) apontou que Gabriel morreu por hemorragia interna causada por uma agressão na coluna cervical. Ele também tinha um hematoma na cabeça.

Segundo a polícia, durante a abordagem, Gabriel teria sido agredido com um tapa, depois caiu e bateu com a cabeça num paralelepípedo. Na sequência, teria sido agredido com um cassetete e posto contra a vontade na viatura.

Contrapontos

O que diz a defesa do segundo-sargento Arleu Júnior Cardoso Jacobsen

O advogado Ivandro Bitencourt Feijó, responsável pela defesa, enviou nota a GZH:

É uma lástima tomar conhecimento de movimento processuais pelos órgãos de imprensa, enquanto advogados devidamente habilitados nos autos não sendo franqueado acesso integral ao processo. Acabo de consultar eletronicamente o processo e ainda está sigiloso pra defesa, todavia os órgãos de imprensa já tomaram conhecimento dos termos da decisão o que demonstra que o vazamento só podem ocorrer internamente pelo TJRS, Ministério Público ou Polícia Civil. Tal agir do juízo de São Gabriel viola princípios constitucionais, súmula vinculante do STF e pacífica jurisprudência.

O que diz a defesa dos soldados Raul Veras Pedroso e Cléber Renato Ramos de Lima

GZH tenta contato com com a advogada Vânia Barreto. Nesta segunda-feira, ela havia informado que não se manifestaria no momento. Em todas suas manifestações anteriores, ela reiterou a inocência dos clientes.

Fonte: GZH

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque APP

Amigos resgatam 20 gatos e 1 cão dentro de casa inundada em Canoas, RS

Publicado em

em

Amigos resgatam 20 gatos e 1 cão que estavam ilhados em uma casa na cidade de Canoas, no RS. Esse gatinho agarrado na grade pedia socorro. – Foto: reprodução Instagram @rafa.specht

Heróis sem capa agem de novo! Dessa vez, amigos resgatam 20 gatos e um cão que estavam presos em uma casa inundada na cidade de Canoas, após as enchentes do Rio Grande do Sul (RS).

Segundo o empresário curitibano Rafael Specht, um miado do gato chamou atenção dele e do grupo. Quando se aproximaram da residência, viram o bichinho subindo pela grade de uma janela e isso emocionou a todos que estavam na embarcação.

Eles conseguiram entrar no imóvel e então a surpresa veio. No local havia mais 19 gatos – entre eles, um cego – e um cãozinho. Com paciência e esforço os voluntários retiraram todos da casa. Nas redes sociais, os seguidores de Rafael comemoraram o resgate. “Obrigada por tanto”.

Pelos irmãos do Sul  

Rafael  mobilizou um grupo de amigos e eles viajaram de carro para participar das operações de resgate.

Na bagagem, eles levaram 10 barcos com motores e muita boa vontade para ajudar os irmãos do Rio Grande Sul.

Todos atuaram como voluntários de terça-feira (7) a sexta (10) auxiliando pessoas e animais que estavam ilhados.

Resgate emocionante

Quando ouviu o miado, Rafael conseguiu registrar uma cena forte e emocionante. Um dos gatinhos que estavam na casa tentava se agarrar nas grades da janela e sempre acabava caindo na água.

“Meu Deus, gente! Olha o gatinho alí. Coitado”, disse Rafael logo no início do vídeo, que viralizou no Instagram e no TikTok.

Logo o grupo se aproximou do imóvel e se mobilizou para salvar o gatinho. “Ah, mas nós vamos pegar esse branquinho”, disse Rafael, sem saber que resgataria muitas outras vidinhas no local.

Os voluntários improvisaram um colchão para carregar todos os gatos e cachorro. Como a quantidade era grande, eles conseguiram tirar uma caixa d’água que boiava e colocaram todos dentro para então levar na embarcação.

Donos foram encontrados

Os gatos resgatados foram entregues a uma protetora de animais local, que está cuidando deles até que possam ser devolvidos aos donos.

Rafael deixou os seguidores mais tranquilos, ao informar que os donos dos bichinhos também foram encontrados.

“Meu vídeo ganhou muita visibilidade nas redes sociais, e através dele, a sobrinha da dona da casa entrou em contato comigo”, contou.

“Passei o contato para a protetora de animais que acolheu os bichos, e acredito que a dona deles conseguirá recuperá-los. Acho que essa história terá um final feliz”, acrescentou o empresário.

Outro resgate emocionante

Rafael voltou a emocionar os seguidores no dia 10 de maio, ao postar outro resgate de animais, dessa vez uma cadelinha que foi adotada por um grupo de freiras.

No vídeo, ele contou que mobilizou os policiais civis de Canoas e foram até o Centro Educacional Madre Josefa, que ainda estava bem alagado, retirar a cachorrinha Castanha.

O empresário levou a Irmã Laura Isabela Hertz, uma das freiras que trabalha e vive na escola.

No vídeo, Rafael explicou que no dia da evacuação, a Castanha não pôde ser levada e ele fez questão de ir lá retirar a cadelinha.

“A cadela, que é dócil com as religiosas e conhecidos, é braba com pessoas estranhas. Por isso, para evitar que ela se agitasse e pudesse virar o barco durante o resgate das Irmãs, foi necessário deixar a Castanha, com ração e água, na escola do bairro Fátima. Mais uma vez, agradecemos muito a todos os que estão empenhados em salvar pessoas e animais das áreas inundadas”, dizia a publicação.

Missão linda a sua, Rafael! Quanto orgulho! Gratidão!

Fonte: Só notícia boa

Continue lendo

Destaque APP

RS: petshop deixou animais morrerem no subsolo e salvou computadores, diz delegada

Publicado em

em

Agentes do Ibama, do Comando Ambiental da Brigada Militar e do IGP (Instituto Geral de Perícias) realizaram vistoria no local nesta quinta (23)

O petshop Cobasi, em Porto Alegre (RS), salvou os computadores da loja, enquanto deixou animais no subsolo, quando o local foi afetado pelas enchentes que atingiram o estado gaúcho, segundo a delegada da Polícia Civil do Rio Grande do Sul Samieh Saleh.

“Identificamos que os computadores, CPUs que estavam nos caixas no subsolo foram retirados e colocados no mezanino. Eles tiveram esse cuidado em retirar os eletrônicos, mas os animais ficaram embaixo”, disse.

A evacuação da loja aconteceu no dia 3 de maio, na unidade situada shopping Praia de Belas. Posteriormente, aves, peixes e roedores acabaram morrendo afogados pela enchente que acometeu o local.

Nesta quinta-feira (23), a Polícia Civil do RS, por meio da Delegacia de Polícia de Proteção ao Meio Ambiente, juntamente com o Delegacia de Polícia de Proteção ao Meio Ambiente, realizou uma vistoria no local. Durante a vistoria, diversos animais, entre pássaros e roedores, que morreram afogados foram retirados.

Duas unidades da Cobasi são investigadas pela Delegacia do Meio Ambiente, por crime de maus-tratos aos animais.

De acordo com a empresa investigada, a água chegou a alcançar 3,5 metros de altura no interior da loja.

Ainda segundo a delegada, diversas testemunhas foram ouvidas, e há a previsão de outras pessoas sejam ouvidas no decorrer da semana.

O Ibama também aplicou duas notificações à empresa.

A Cobasi explicou que os colaboradores da loja precisaram deixar o ambiente de forma emergencial. Antes de sair, conforme nota enviada à CNN, “os colaboradores da loja tomaram todas as providências para garantir que as aves, pequenos roedores e peixes estivessem em altura segura e alimentados para sua sobrevivência até o retorno dos colaboradores”.

A marca reitera que, naquele momento, não possuíam a dimensão do desastres que atingiria a capital gaúcha.

“Cabe destacar que apenas as 4 CPUs dos checkouts da loja foram levadas ao andar superior, por se encontrarem a 20 centímetros do chão, local que ficava junto aos pés das operadoras de caixa, porém todos os outros equipamentos relacionados aos checkouts permaneceram em suas posições originais”, continua o comunicado.

Por fim, a empresa lamentou o ocorrido e disse que segue colaborando com as autoridades. A Cobasi diz que “irá comprovar todas as informações relatadas acima nos autos.

Continue lendo

Destaque APP

Agricultor morre ao ser atingido por raio enquanto trabalhava no norte do RS

Publicado em

em

Um homem de 38 anos, identificado como Sidnei Milkiewicz morreu após ser atingido por um raio na tarde de quinta-feira, 23 de maio, na localidade de Sete de Setembro, zona rural de Erval Grande.

Segundo informações preliminares, a vítima teria saído de sua residência para buscar algumas vacas próximo ao local do fato, para que fosse feita a ordenha das mesmas, quando acabou sendo atingido pela descarga elétrica.

Os Bombeiros Voluntários de São Valentim, junto com o Samu e a Brigada Militar de Erval Grande, foram acionados para a ocorrência, mas, ao chegarem ao local, o homem já estava em óbito. A Brigada Militar permaneceu no local até a remoção do corpo.

Fonte: Com informações do Portal GT News

Continue lendo