Conecte-se conosco

Destaque APP

Operação Saturação de Área prende 28 pessoas no RS

Publicado em

em

Policiais civis e militares desencadearam, na noite desta sexta-feira (22/9), a Operação Saturação de Área, com objetivo de intensificar o policiamento ostensivo em regiões de maior incidência à criminalidade, além de contribuir para a redução dos crimes violentos letais intencionais e enfrentar o crime organizado na Capital gaúcha.

As intensivas, efetuadas nos bairros Mário Quintana e Costa e Silva, foram realizadas pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil e pela Brigada Militar, através do Comando de Policiamento da Capital (CPC).

Ao todo, 28 homens foram presos durante as ações. Estima-se que o prejuízo ao crime organizado possa ultrapassar a soma de meio milhão de reais.

Durante as diligências, os policiais apreenderam armas de fogo ilegais, totalizando 25 armas, 1.366 munições, seis coletes balísticos e 25 celulares.

Dentre as apreensões há três fuzis, três submetralhadoras, duas espingardas calibre 12, um revólver, 16 pistolas, diversos carregadores de arma de fogo, rádios comunicadores, balanças de precisão e porções de entorpecentes.

O Diretor do DHPP, Delegado de Polícia Mario Souzam afirma que “foi uma operação em conjunto histórica contra o crime organizado, causando um forte prejuízo aos criminosos que insistem em determinar mortes na capital.”

O comandante do CPC, Cel. Luciano Moritz, destaca que “é a resposta das forças de segurança contra as facções que insistem em criar a instabilidade nas comunidades. A resposta será sempre enérgica e no sentido do enfraquecimento desses grupos criminosos. Deixando o alerta que jamais ousem o enfrentamento contra as corporações, pois a resposta será ainda mais forte”.

O Ten-Cel. Rafael Tiaraju, comandante do 20º BPM, destaca que “estamos trabalhando incessantemente na zona norte de Porto Alegre a fim de promover a redução dos indicadores de criminalidade e combater com afinco as ações das organizações criminosas que atuam na capital. O objetivo da Brigada Militar e da Polícia Civil são únicos: proporcionar a segurança da comunidade e envidar esforços no combate ao crime organizado”.

Foto: PC RS

Fonte: RD Foco

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque APP

3º Batalhão Ambiental da Brigada Militar flagra a queima de 800 kg de fios de cobre em Barão de Cotegipe

Publicado em

em

Durante o patrulhamento, a equipe, do 3º Batalhão Ambiental da Brigada Militar (BABM), flagrou, na quinta-feira (29/02), dois homens ateando fogo em uma grande quantidade de fios de cobre, em Barão de Cotegipe.

Os policiais militares avistaram uma intensa fumaça de cor preta, saindo de uma propriedade rural, no interior do município. No local, estavam dois indivíduos, que estavam próximos a um amontoado de fios em chamas.

Um dos homens, era o proprietário da área e informou aos policiais que havia queimado, aproximadamente, 800 quilos de cobre. Próximo ao local, estavam bags carregadas de cobre, já queimado, para o transporte.

O responsável pela queima possui uma empresa que compra sucatas e apresentou à equipe do 3º BABM a nota fiscal do produto. Porém, *diante do crime ambiental de poluição, os indivíduos receberam voz de prisão e foram conduzidos à Delegacia de Polícia*.

Os policiais militares auxiliaram na contenção das chamas e apagaram o fogo no local.

Comando Ambiental: o Braço Verde da Brigada Militar

Edição: Comunicação Social 3º BABM

Fotos: 3º BABM | 1º Sgt Franciele

Continue lendo

Destaque APP

Homem é preso após ser flagrado estuprando cachorro em Getúlio Vargas

Publicado em

em

Na tarde da quinta-feira, 29, um homem de 85 anos foi preso pela Brigada Militar após ser flagrado por vizinhos estuprando um cachorro, no bairro Champagnat, em Getúlio Vargas. A Brigada Militar foi acionada para atender a uma denúncia de que um homem estaria mantendo relações sexuais com um cachorro na área de sua residência.

Diante da informação, os policiais deslocaram até a residência e conduziram o suspeito até a Delegacia de Polícia para prestar depoimento.

Fonte: Portal Tchê

MB Notícias

Continue lendo

Destaque APP

Justiça do RS mantém validade de júri que condenou Leandro Boldrini a 31 anos de prisão

Publicado em

em

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul anunciou, nesta quinta-feira (29), que manteve a validade do júri que condenou o médico Leandro Boldrini a 31 anos e 8 meses de prisão pela morte do filho, o menino Bernardo Uglione Boldrini. O crime ocorreu em abril de 2014, em Três Passos, no Noroeste do estado.

O julgamento virtual, que começou no dia 23 de fevereiro, foi encerrado por volta das 19h40 desta quinta-feira. O relator dos recursos, desembargador Rinez da Trindade, negou tanto o pedido da defesa de Boldrini, que pedia a anulação do júri, quanto o pedido do Ministério Público, que buscava a ampliação da pena do médico.

Os demais integrantes da 3ª Câmara Criminal, o desembargador José Luiz John dos Santos e o juiz Thiago Tristão Lima, seguiram o voto do relator.

O que dizem as partes

O Ministério Público não comentou sobre a rejeição do recurso que pedia a ampliação da pena. Ao comentar sobre o pedido de nulidade feito pela defesa do réu, a promotora de Justiça Lúcia Helena Callegari afirma que “o julgamento anterior transcorreu de forma regular, sem nenhum problema, e o TJRS confirmou a decisão”.

“Nós precisamos dar um final a este processo que se arrasta por tempo demasiado. Foi mantida a responsabilidade de Leandro Boldrini no assassinato do filho. Justiça feita e sociedade, neste caso, sai engrandecida”, diz Callegari

Os advogados de Leandro, Ezequiel Vetoretti e Rodrigo Grecellé Vares afirmam que vão recorrer aos tribunais superiores. Para a defesa, o júri deveria ser anulado porque um dos jurados teria manifestado “sua intenção manifesta de condenar o réu”.

“Ainda não tivemos acesso ao teor dos votos. Por conhecermos os Desembargadores e o Juiz que compuseram o julgamento, temos certeza que os fundamentos utilizados para a manutenção do júri são técnicos, legítimos e merecem todo o respeito. Nosso limite é o recurso”, afirmam.

Entenda

O primeiro júri do Caso Bernardo ocorreu em março de 2019. Na ocasião, Leandro foi condenado ao lado dos outros três réus – a madrasta do menino, Graciele Ugulini; a amiga da madrasta, Edelvânia Wirganovicz; e o irmão de Edelvânia, Evandro Wirganovicz.

Contudo, o pai conseguiu a anulação da primeira sentença em dezembro de 2021. Os desembargadores do Tribunal de Justiça consideraram que houve disparidade de armas entre a acusação e a defesa, o que acabou beneficiando Leandro.

O novo júri foi realizado em março de 2023. Dessa vez, o médico Leandro Boldrini foi condenado a 31 anos e oito meses de prisão pelos crimes de homicídio quadruplamente qualificado e por falsidade ideológica. Ele foi absolvido da acusação de ocultação de cadáver.

Como estão os condenados hoje

Leandro Boldrini cumpre pena no regime semiaberto no Presídio Regional de Santa Maria, na Região Central. Em janeiro, foi autorizado a participar da seleção da residência médica no Hospital Universitário. Sem restrição legal para o exercício da medicina, Boldrini ficou em quarto lugar no processo.

A madrasta Graciele Ugulini ainda cumpre pena em regime fechado no Presídio Estadual Feminino Madre Pelletier, em Porto Alegre. Ela só terá direito ao regime semiaberto em 2026 e à liberdade condicional em 2035.

A amiga Edelvânia Wirganovicz cumpre pena em regime semiaberto. Como há falta de vagas nos presídios do RS, ela está em prisão domiciliar e usa tornozeleira eletrônica desde outubro de 2023.

Evandro Wirganovicz cumpriu a pena de nove anos e meio de prisão, extinta em janeiro deste ano, e está solto.

Fonte: G1RS

Continue lendo