Conecte-se conosco

Destaque APP

Outubro deve registrar chuva e temperatura acima da média no RS, afirmam meteorologistas

Publicado em

em

Assim como ocorreu em setembro, outubro deve trazer chuva acima da média ao Rio Grande do Sul, de acordo com meteorologistas. O mês deve ter também temperaturas mais elevadas do que o habitual para o período, segundo os especialistas.

Todo o Estado estará em alerta quanto à chuva, conforme Lucas Fagundes, meteorologista da Sala de Situação do Estado. A média de precipitação em outubro no RS é de 160mm; porém, para 2023 a previsão  é de que os acumulados superem esse valor em todas as regiões, porém, em volumes diferentes.

— Vai acontecer porque a primavera já é um mês muito chuvoso no RS, e nós temos ainda o efeito do El Niño atuando e favorecendo que as chuvas fiquem acima do esperado — explica.

Ao contrário de setembro, o volume mais acima do padrão deve se concentrar na faixa oeste e no noroeste, com 70mm a 100mm acima da média. Nas outras áreas, o volume deve ficar 50mm acima da média, segundo Rogério Rezende, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Os eventos meteorológicos devem causar chuva volumosa como ocorreu em setembro – mês com médias históricas que resultaram em tragédias no Estado. Isso deve acontecer porque as condições atmosféricas estarão semelhantes, segundo Fagundes. 

De acordo com o meteorologista, o primeiro evento, dando início a precipitações mais frequentes, deve acontecer na próxima quarta (4) e quinta-feira (5), com o avanço de uma frente fria, causando chuvas com volume entre 60mm e 80mm em praticamente todo o RS, com possibilidade de tempo severo. Até lá, segundo Henrique Repinaldo, meteorologista do Centro de Pesquisas e Previsões Meteorológicas da Universidade Federal de Pelotas (CPPMet/UFPel), deve haver chuva mais espalhada, em menor intensidade, com temperatura abaixo da média.

Segundo o Inmet, os resultados preliminares de setembro indicam que a chuva foi cerca de duas a três vezes mais intensa do que o esperado. A temperatura, tanto mínima quanto máxima, também ficou acima da média. No entanto, de acordo com Repinaldo, as projeções indicam que o cenário de setembro — considerado “fora da curva”, com acumulados chegando a 400mm — não deve se repetir. Entretanto, também não é possível descartá-lo. Além disso, a tendência é de que o El Niño se intensifique nos próximos meses, acrescenta o meteorologista.

Como os rios já estão bastante saturados, qualquer chuva acima da média pode ser prejudicial, alerta Repinaldo. No entanto, ainda não é possível prever a ocorrência de enchentes. Por esse motivo, ele ressalta que é necessário ter cautela e manter o monitoramento, que vem sendo feito pela Sala de Situação.

Não se descarta a possibilidade de eventos severos e a ocorrência de enchentes, ratifica Fagundes. Devido à primavera, espera-se a ocorrência de temporais com chuva volumosa, granizo e rajadas fortes de vento. A ocorrência do El Niño também deve intensificar os encontros de massas de ar quente e frio, que resultam nas tempestades. Essas manifestações climáticas podem resultar em estragos, mesmo que de maneira isolada.

Temperatura

Em comparação a setembro, reta final do inverno, os termômetros também estarão mais elevados, em função da primavera e do El Niño, segundo os especialistas. Assim, as manhãs serão mais quentes. Espera-se temperatura acima da média  – cuja máxima é de 24ºC e mínima de 15ºC em Porto Alegre em outubro –, durante o mês em todo o território gaúcho, inclusive pela manhã. Os valores estarão cerca de dois a três graus acima da média geral.

Em relação às máximas, na Campanha, a temperatura deve ter uma variação pequena, de cerca de 0,5ºC, conforme o Inmet. Na Metade Norte, na Região Metropolitana e no Litoral Norte, 1,5ºC e 2ºC acima do que seria esperado. Já sobre as mínimas, a faixa Noroeste tem valor um pouco mais elevado, até 2ºC graus acima.

— É típico de El Niño também a temperatura acima da média. Além do Oceano Pacífico Equatorial estar aquecido, sinal do El Niño, outras regiões do Pacífico também estão aquecidas, parte do Atlântico na nossa costa, isso acarreta em toda uma mudança nos padrões de vento e também numa maior disponibilidade de umidade. É um período que tem muito mais umidade e muito mais aquecimento — destaca Repinaldo.

Ciclones

Em outubro, há tendência de formação de ciclones no oceano, conforme Fagundes. A atuação se dará principalmente pelas baixas pressões, o fluxo de umidade vindo do norte do Brasil e o avanço de frentes frias, que terão influência no Estado. Ainda não é possível quantificá-los, pois dependerão das condições.

— A região de baixa pressão causa instabilidade na atmosfera, os fluxos de umidade vindos do Norte dão aporte de calor e muita umidade, e a frente fria organiza e instabiliza o tempo. São todos os componentes que ajudam no tempo severo e nos elevados acumulados de chuva — afirma Fagundes.

Já Repinaldo enfatiza que haverá mais áreas de baixa pressão (geralmente associadas à formação de nuvens de chuva), não sendo possível prever se elas se transformarão em ciclones extratropicais. Rezende também esclarece o papel deles no contexto atual:

— O importante é que não são os ciclones que causam todos esses problemas, são as chuvas mesmo, e não necessariamente associadas a ciclones. Eles são consequência de baixas pressões.

Em 2023, é esperado que os acumulados superem a média histórica em todas as regiões. Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Fonte: Gaúcha ZH

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque APP

PIRAPOENSE CONDENADO A 34 ANOS DE CADEIA

Publicado em

em

Justiça condena a 34 anos de prisão homem acusado de estuprar e assassinar mulher em Caxias do Sul

Naiara Ketlin Pereira Maricá, de 18 anos, foi morta em 2023 após festa de ano-novo por homem que se ofereceu para acompanhá-la até em casa. Condenado está preso.

A Justiça do Rio Grande do Sul condenou a 34 anos de prisão Ricardo Silveira Sebastiany pelo estupro e assassinato de Naiara Ketlin Pereira Maricá, de 18 anos, em Caxias do Sul, na Serra. O caso ocorreu em 1º de janeiro de 2023.

A Defensoria Pública do Estado, responsável pela defesa de Sebastiany, disse que “vai se manifestar apenas nos autos do processo”. A pena deve ser cumprida em regime fechado. O condenado está na Penitenciária Estadual de Bento Gonçalves.

De acordo com o Ministério Público (MP), a investigação policial do caso começou na manhã do dia 1º, quando a mãe de Naiana encontrou ela morta dentro da casa que morava no bairro Esplanada. No corpo, havia ferimentos que sugeriam terem sido causados por faca e também sinais que remetiam a violência sexual.

A Polícia Civil descobriu que Naiara havia saído na noite anterior para festejar o ano-novo com amigos, mas passou mal e decidiu voltar para casa. Sebastiany estava junto com o grupo e se ofereceu para acompanhá-la. Os dois não se conheciam antes.

Imagens de câmeras de segurança ajudaram a polícia a identificar Sebastiany. Nos registros, ele é visto caminhando com Naiara. Essa teria sido a última vez que ela é vista com vida.

Fonte: G1 RS

Continue lendo

Destaque APP

Brigada Militar prende dupla por tráfico de drogas em Veranópolis

Publicado em

em

No fim da tarde da sexta-feira, 1º de março, a Brigada Militar, através da Força Tática, prendeu um homem de 19 e outro 50 anos pelo crime de tráfico de drogas, em Veranópolis.

A prisão aconteceu no bairro Santa Lúcia, onde após uma abordagem a dois veículos, foi localizada 01 porção de cocaína, pesando 55 gramas, 01 balança de precisão, R$ 1.260,00, 02 telefones celulares, restando também dois automóveis Gol apreendidos, os quais eram utilizados para transporte de drogas.

Diante dos fatos, os homens foram encaminhados à Delegacia de Polícia para lavratura do auto de prisão em flagrante, por tráfico de drogas e, posterior, conduzidos ao Presídio Estadual de Nova Prata, onde ficarão a disposição da justiça.

Fonte: Comunicação Social do 3º BPAT

Continue lendo

Destaque APP

Casal acusado pelo MPRS é condenado por estupro de três filhas, em Viamão

Publicado em

em

O Poder Judiciário de Viamão condenou um casal pelo estupro de três filhas. Os crimes ocorreram mediante ameaças desde quando as jovens tinham, pelo menos uma delas, seis anos de idade. Uma delas sofreu abusos ainda antes do ano de 2009.

O pai das vítimas recebeu uma pena de 52 anos de prisão e mãe de 40 anos de reclusão. O cumprimento inicial da pena é em regime fechado.

Acusados pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) em 2017, os réus foram condenados no dia 22 de fevereiro deste ano na 1ª Vara Criminal do município da Região Metropolitana.

De acordo com a promotora de Justiça Bárbara Pinto e Silva, as condenações foram por quatro fatos criminosos envolvendo estupro de vulnerável e estupro qualificado.

Conforme a investigação, o fato só foi descoberto porque uma das jovens fez um desabafo com uma colega. Além dos abusos sexuais cometidos pelo pai delas, a mãe era conivente e ainda ameaçava, pelo menos uma das filhas, sobre o risco do pai ser preso.

A mulher também orientava as jovens a mentirem em depoimentos para as autoridades. Duas delas ainda tiveram de fugir de casa para não sofrerem mais com a violência sexual.

Fonte: Ministério Público do RS

Continue lendo