Conecte-se conosco

Destaque APP

Polícia Civil realiza operação contra facções que faziam “consórcio” para trazer drogas do Paraguai ao RS

Publicado em

em

Uma forma de tráfico de drogas chamou a atenção das autoridades de segurança do Rio Grande do Sul porque, mesmo com a guerra de facções que matou dezenas de pessoas neste ano na Região Metropolitana — e até em cidades como Pelotas e Rio Grande —, os líderes destes grupos mantêm relações na hora de comprar e distribuir entorpecentes. Por meio de uma destas organizações criminosas, que tem base no Vale do Sinos, foi feito um “consórcio” para trazer maconha do Paraguai para o Estado.

Em dois anos de investigação, a Polícia Civil descobriu que estas facções traziam até seis toneladas da droga por mês para sítios em vários municípios próximos a Porto Alegre. E sempre da mesma forma: no meio de cargas de milho ou açúcar, em carretas acompanhadas por carros batedores, como se fossem equipes de segurança privada. Depois disso, os integrantes do consórcio pegavam suas partes já encomendadas com antecedência e distribuíam para depósitos menores e, em seguida, para os pontos de venda.

Para desarticular o esquema apurado pela 3ª Delegacia do Departamento de Investigações do Narcotráfico (Denarc), foram reunidos nesta segunda-feira (12) cerca de 500 agentes para cumprir 375 ordens judiciais — sendo 20 de prisão — nos três Estados da Região Sul. Além do tráfico de drogas, a lavagem de capitais também é alvo da Operação Consortium.

Estão sendo apreendidos imóvel e veículos de luxo, além do bloqueio de mais de 90 contas bancárias. Esta parta da apuração, que levou um ano, foi feita pela Delegacia de Repressão à Lavagem de Dinheiro (DLRD) do Denarc.

O trabalho teve início pelo delegado Gabriel Borges, da 3ª Delegacia, devido à grande quantidade de maconha apreendida nas estradas gaúchas, todas vindas do Paraguai. Com o monitoramento, a equipe dele percebeu que eram duas viagens mensais sob suspeita.

Contudo, o que mais surpreendeu foi o fato de a facção que tem base no Vale do Sinos estar à frente de outras na questão de compra e transporte da maconha. Mais provas foram reveladas, e foi nessa ocasião que a polícia percebeu que a organização criminosa não estava comprando maconha só para ela, mas para outras também.

— Dentro do consórcio, tem diversos compradores. Tem de Porto Alegre, do Interior, como Zona Sul, Litoral, vários lugares e sempre em grandes quantidades, por vezes toneladas. Das carretas, a maconha era largada por até um dia em sítios. Os compradores, que já haviam previamente agendado a droga, tinham um dia para tirar o produto nestes depósitos provisórios — diz Borges.

Forma de agir

São pelo menos 90 pessoas investigadas, sendo que 20 tiveram prisão decretada: são duas prisões preventivas e 18 temporárias. Segundo o delegado, há o núcleo dos líderes, que coordenam tudo, e os demais núcleos divididos por tipo de atividade. Outros são os “operadores logísticos”, responsáveis pelo armazenamento da maconha e que estariam sempre procurando imóveis para alugar como depósitos, basicamente sítios. Tudo feito de forma a dificultar o rastreamento por parte da polícia.

Borges diz que há também o núcleo dos motoristas, contratados para transportar a droga em caminhões e carretas, e o núcleo que auxilia na distribuição, muitas vezes responsáveis por contratar pessoas para carregar e descarregar os entorpecentes adquiridos pelo consórcio de traficantes. Por fim, o titular da DLRD do Denarc, delegado Adriano Nonnenmacher, ressalta que há o núcleo responsável pela lavagem de capitais, cooptando laranjas, buscando por empresas de fachada e, em alguns casos, até por empresas lícitas que recebem investimentos dos traficantes.

— Nesta ação, nós atacamos os líderes e os principais gerentes do esquema. Em um segundo momento vamos atrás dos laranjas que deram seus nomes para serem usados pelos traficantes para abrirem mais de 90 contas bancárias e também empresas de fachada. Ao todo, eles movimentaram cerca de R$ 100 milhões — explica Nonnenmacher.

Toneladas de maconha

Enquanto a investigação do delegado Nonnenmacher teve foco na lavagem de dinheiro, a do delegado Borges apurou o tráfico em si. Por isso, ele ressalta que este grupo só atua com maconha, realizando duas viagens mensais e injetando no Estado de cinco a seis toneladas da droga por mês. E tudo começava com um integrante da facção do Vale do Sinos indo ao Paraguai para comprar a droga.

Borges ressalta que ele tinha sempre uma lista de encomendas, com nomes das facções e quantidades que pediam. Pessoas eram contratadas para carregar a maconha em meio a cargas de milho e açúcar, sendo que os motoristas sabiam o que estavam transportando. O delegado destaca que, conforme horário, quantidade e periculosidade, cada um recebia de R$ 500 a R$ 2 mil por “frete”. No trajeto, haviam os batedores em carros e até motos, sempre com comunicação via rádio em caso de barreira policial.

A outra etapa do consórcio, já na Região Metropolitana, era descarregar os entorpecentes em sítios alugados. A droga não podia ficar mais do que uma noite em cada um dos locais.

— Só para ter uma ideia, eles compravam o quilo da maconha a R$ 800 no Paraguai e revendiam aqui (na Região Metropolitana) por até R$ 3 mil o quilo — explica Borges.

Operação policial

A “Operação Consortium” foi coordenada pelos delegados Borges, da 3ª Delegacia do Denarc, e Nonnenmacher, da DLRD do mesmo departamento.

Além das 20 ordens de prisão, são cumpridos 96 mandados de busca, 21 restrições impostas a veículos, sendo um imóvel e oito carros apreendidos, além do bloqueio de 93 contas bancárias, 99 afastamentos de sigilos bancário, fiscal, financeiro e de investimentos na Bolsa de Valores. Os 500 agentes utilizaram 250 viaturas e contaram com o apoio de um helicóptero.

A ação ocorreu em Porto Alegre, Gravataí, Cachoeirinha, Esteio, Estância Velha, Novo Hamburgo, Tramandaí, Viamão, Canoas, Soledade, Pelotas, Passo Fundo e Cruz Alta, no Rio Grande do Sul, além de municípios de Santa Catarina e Paraná.

A ofensiva teve apoio da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública, de vários departamentos da polícia gaúcha, além da Brigada Militar , Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) e polícias catarinense e paranaense. Agentes cumpriram alguns mandados de busca e prisão nos dois Estados, assim como em alguns presídios gaúchos.

Fonte:Observador Regional

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque APP

PIRAPOENSE CONDENADO A 34 ANOS DE CADEIA

Publicado em

em

Justiça condena a 34 anos de prisão homem acusado de estuprar e assassinar mulher em Caxias do Sul

Naiara Ketlin Pereira Maricá, de 18 anos, foi morta em 2023 após festa de ano-novo por homem que se ofereceu para acompanhá-la até em casa. Condenado está preso.

A Justiça do Rio Grande do Sul condenou a 34 anos de prisão Ricardo Silveira Sebastiany pelo estupro e assassinato de Naiara Ketlin Pereira Maricá, de 18 anos, em Caxias do Sul, na Serra. O caso ocorreu em 1º de janeiro de 2023.

A Defensoria Pública do Estado, responsável pela defesa de Sebastiany, disse que “vai se manifestar apenas nos autos do processo”. A pena deve ser cumprida em regime fechado. O condenado está na Penitenciária Estadual de Bento Gonçalves.

De acordo com o Ministério Público (MP), a investigação policial do caso começou na manhã do dia 1º, quando a mãe de Naiana encontrou ela morta dentro da casa que morava no bairro Esplanada. No corpo, havia ferimentos que sugeriam terem sido causados por faca e também sinais que remetiam a violência sexual.

A Polícia Civil descobriu que Naiara havia saído na noite anterior para festejar o ano-novo com amigos, mas passou mal e decidiu voltar para casa. Sebastiany estava junto com o grupo e se ofereceu para acompanhá-la. Os dois não se conheciam antes.

Imagens de câmeras de segurança ajudaram a polícia a identificar Sebastiany. Nos registros, ele é visto caminhando com Naiara. Essa teria sido a última vez que ela é vista com vida.

Fonte: G1 RS

Continue lendo

Destaque APP

Brigada Militar prende dupla por tráfico de drogas em Veranópolis

Publicado em

em

No fim da tarde da sexta-feira, 1º de março, a Brigada Militar, através da Força Tática, prendeu um homem de 19 e outro 50 anos pelo crime de tráfico de drogas, em Veranópolis.

A prisão aconteceu no bairro Santa Lúcia, onde após uma abordagem a dois veículos, foi localizada 01 porção de cocaína, pesando 55 gramas, 01 balança de precisão, R$ 1.260,00, 02 telefones celulares, restando também dois automóveis Gol apreendidos, os quais eram utilizados para transporte de drogas.

Diante dos fatos, os homens foram encaminhados à Delegacia de Polícia para lavratura do auto de prisão em flagrante, por tráfico de drogas e, posterior, conduzidos ao Presídio Estadual de Nova Prata, onde ficarão a disposição da justiça.

Fonte: Comunicação Social do 3º BPAT

Continue lendo

Destaque APP

Casal acusado pelo MPRS é condenado por estupro de três filhas, em Viamão

Publicado em

em

O Poder Judiciário de Viamão condenou um casal pelo estupro de três filhas. Os crimes ocorreram mediante ameaças desde quando as jovens tinham, pelo menos uma delas, seis anos de idade. Uma delas sofreu abusos ainda antes do ano de 2009.

O pai das vítimas recebeu uma pena de 52 anos de prisão e mãe de 40 anos de reclusão. O cumprimento inicial da pena é em regime fechado.

Acusados pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) em 2017, os réus foram condenados no dia 22 de fevereiro deste ano na 1ª Vara Criminal do município da Região Metropolitana.

De acordo com a promotora de Justiça Bárbara Pinto e Silva, as condenações foram por quatro fatos criminosos envolvendo estupro de vulnerável e estupro qualificado.

Conforme a investigação, o fato só foi descoberto porque uma das jovens fez um desabafo com uma colega. Além dos abusos sexuais cometidos pelo pai delas, a mãe era conivente e ainda ameaçava, pelo menos uma das filhas, sobre o risco do pai ser preso.

A mulher também orientava as jovens a mentirem em depoimentos para as autoridades. Duas delas ainda tiveram de fugir de casa para não sofrerem mais com a violência sexual.

Fonte: Ministério Público do RS

Continue lendo